Cuerpos que venden productos: catálogos de cosmética y asimetrías con la publicidad inclusiva de hoy

Autores/as

  • Renata Barreto Malta Universidade Federal de Sergipe https://orcid.org/0000-0002-7414-9081
  • Crislayne Alves Santos Universidade Federal de Sergipe
  • Erika Acsa de Souza Santos Universidade Federal de Sergipe

Resumen

Pretendemos discutir a representatividade da mulher brasileira em catálogos de venda de produtos de beleza das marcas Avon Brasil e Natura. Partimos da observação não científica de um suposto novo posicionamento das marcas expresso em ações publicitárias, em que se percebe uma representação mais plural da mulher. Assim, nosso objetivo principal é identificar se esse novo posicionamento é também refletido em seus catálogos. A pesquisa se alicerça em uma etapa empírica de Análise de Conteúdo do corpus e interpretação qualitativa e teoricamente embasada dos dados, seguindo os pressupostos da Teoria Fundamentada em Dados. Em suma, concluímos que uma representação mais plural está centrada nas capas dos catálogos analisados, especialmente no que se refere à marca Avon Brasil, mas que o conteúdo geral continua a refletir um modelo de representação uníssono e excludente da mulher no que concerne à forma corporal, à manutenção da juventude e a fenótipos étnico-raciais.

Palabras clave

Representação, Mulher, Catálogos de cosméticos, Publicidade, Análise de Conteúdo

Citas

Avon: Maiara e Maraísa. (2017). Youtube. https://www.youtube.com/watch?v=aF4KRba6nw4

Bardin, Laurance. (2009). Análise de Conteúdo. Edições 70.

Bayone, Andrea & Burrowes, Patricia. (2019). Como ser mulher na publicidade: Femvertising e as “novas” representações do feminino. Consumer Behavior Review, 3(Special Edition), 24-37. https://periodicos.ufpe.br/revistas/cbr/article/view/242586

Campos, Graça & Cruz, Mônica. (2018). Disciplina, corpo e discurso na publicidade de produtos para cabelos cacheados. Entrepalavras, 8(2), 120-136. http://dx.doi.org/10.22168/2237-6321-21100

Charmaz, Kathy. (2006). Constructing Grounded Theory. A Practical Guide Through Qualitative Analysis. Sage Publications.

Décadas apoiando mulheres. (2020). Instituto Avon. https://www.avon.com.br/institucional/a-avon?sc=1

#EuUsoAssim: Outubro Rosa estrelando Candy Mel. (2015). Youtube. https://www.youtube.com/watch?v=ubYp8Hcl1HQ

Ferreira, Raquel & Felizola, Matheus. (2012). Grounded Theory: uma experiência metodológica. Revista Latinoamericana de Metodología de la Investigación Social, 3(2), 12-17. http://relmis.com.ar/ojs/index.php/relmis/article/view/134

Goffman, Erving. (1979). Gender advertisements. Harper Torchbooks.

Gomes, Nilma. (2008). Sem perder a raiz: Corpo e cabelo como símbolos da identidade negra. Autêntica.

Hair type guide. (s.f.) Curls.biz. https://curls.biz/hair-type-guide/

Hall, Stuart. (2003). Da Diáspora: Identidades e mediações culturais. Editora UFMG.

hooks, Bell. (2005, janeiro-fevereiro). Alisando o nosso cabelo. Revista Gazeta de Cuba. https://www.geledes.org.br/alisando-o-nosso-cabelo-por-bell-hooks/

Klein, Alejandro. (2016). Paradigmas en la vejez: homogeneización y transiciones cinematográficas. Comunicación & Sociedad, 26(13), 201-221. https://doi.org/10.32870/cys.v0i26.5443

Malta, Renata & Oliveira, Laila. (2016). Enegrecendo as redes: O ativismo de mulheres negras no espaço virtual. Revista Gênero, 16(2). 55-69 https://doi.org/10.22409/rg.v16i2.23673

Mendonça, Maria Luiza & Silva, Conceição. (2014). Envejecimiento femenino, consumo y protagonismo. ¡Es la (voz de la) Abuelita! Comunicação, Mídia e Consumo, 11(32), 121-138. http://revistacmc.espm.br/index.php/revistacmc/article/view/838

Natura: Viva a sua beleza viva. (2016). Youtube https://www.youtube.com/watch?v=XbotrqucYCg

Natura: Bem estar bem. (2020). Natura. http://www.natura.com.br/a-natura/sobre-a-natura/historia

Nunes, Ana Paula & Vale, Rony Petterson. (2020). A argumentação no reposicionamento de marca da Avon: do femvertising ao ethos de sororidade. Revista Eletrônica de Estudos Integrados em Discurso e Argumentação, 20(1), 28-50. https://doi.org/10.17648/eidea-20-v1-2491

Nunes, Charô. (2012). Quem somos. Reinventando a tela (blog). Blogueiras negras. http://blogueirasnegras.org/quem-somos/

#OQueTeDefine: Nova Big & Define e dá volume Avon. (2017). Youtube. https://www.youtube.com/watch?v=pYlKbwS3ILk.

Paim, Marina Bastos. (2019). Os corpos gordos merecem ser vividos. Revista Estudos Feministas, 27(1), e56453. https://doi.org/10.1590/1806-9584-2019v27n156453

Prodanov, Laura & Reinke, Carlos. (2016). A mulher madura e o consumo de moda no Brasil. Revista PRÂKSIS, 13(1), 121-137. https://periodicos.feevale.br/seer/index.php/revistapraksis/article/view/439

Quintão, Adriana. (2014, agosto). O que Elas Têm na Cabeça? O Alisamento e o Relaxamento de Cabelo Como Performance Identitária de Mulheres Cariocas Brancas e Negras. Anais (Proceedings) da 29ª Reunião Brasileira de Antropologia, Natal, RN, Brasil.

Rangel, Natália Fonseca. (2018). O ativismo gordo em campo: política, identidade e construção de significados. Dissertação de Mestrado inédita, Universidade Federal de Santa Catarina.

Samarão, Liliany. (2007). O espetáculo da publicidade: a representação do corpo feminino na mídia. Revista Contemporânea, 5(1), 45-57. http://www.contemporanea.uerj.br/pdf/ed_08/04LILIANY.pdf

Santana, Bianca. (2014). Mulher, cabelo e mídia. Revista Communicare, 14(1), 132-144. https://casperlibero.edu.br/wp-content/uploads/2015/08/Mulher-cabelo-e-m%C3%ADdia.pdf

Silva, Paulo; Rocha, Neli, & Santos, Wellington. (2012). Negras(os) e brancas(os) em publicidades de jornais paranaenses. Intercom: Revista Brasileira de Ciências da Comunicação, 35(2), 149-168. https://doi.org/10.1590/S1809-58442012000200008

Torres, Lyssandra Maria. (2016). A persuasão entre o fazer fazer e o fazer sentir: os regimes de sentido em peças de catálogos de produtos Avon e Natura. Tese de Doutorado inédita. Universidade Federal do Ceará.

Vásquez, Carolina. (2014). A representação da mulher nas imagens publicitárias. O caso AVON: Catálogos ou Catalogadas? Dissertação de Mestrado inédita. Universidade Federal da Bahia.

#Velha pra isso. (2016). Youtube. https://www.youtube.com/watch?v=PrXBMh6o2ts.

Vianna, Letícia. (1992). A Idade Mídia: Uma reflexão sobre o mito da juventude na cultura de massa. UNB.

Xavier, Giovana. (2013). Segredos de penteadeira: conversas transnacionais sobre raça, beleza e cidadania na imprensa negra pós-abolição do Brasil e dos EUA. Estudos Históricos, 26(52), 429-450. http://dx.doi.org/10.1590/S0103-21862013000200009

Weschenfelder, Viviane & Fabris, Elí. (2019). Tornar-se mulher negra: escrita de si em um espaço interseccional. Revista Estudos Feministas, 27(3), 1-15. https://doi.org/10.1590/1806-9584-2019v27n354025

Biografía del autor/a

Renata Barreto Malta, Universidade Federal de Sergipe

Professora efetiva do Departamento de Comunicação Social da UFS (Brasil). Professora Permanente do Programa de Pós Graduação Stricto Sensu em Comunicação Social (PPGCOM) da UFS. Coordenadora no Brasil do Grupo de Pesquisa CHISGAP. Pós Doutorado em andamento na Facultad de Comunicación, Universidad de Sevilla - España. Doutora em COMUNICAÇÃO SOCIAL pela Universidade Metodista de São Paulo (2013).

Crislayne Alves Santos, Universidade Federal de Sergipe

Graduada em Comunicação Social com habilitação em Publicidade e Propaganda pela Universidade Federal de Sergipe (UFS). Integrante do grupo de pesquisa CHISGAP -Critical, Historical and International Studies on Gender and Press.

Erika Acsa de Souza Santos, Universidade Federal de Sergipe

Graduada em Comunicação Social com habilitação em Publicidade e Propaganda pela Universidade Federal de Sergipe (UFS). Integrante do grupo de pesquisa CHISGAP -Critical, Historical and International Studies on Gender and Press.

Publicado

25-06-2021

Descargas

Los datos de descargas todavía no están disponibles.