Participación política de mujeres rurales quilombolas en el noreste de Brasil

Autores/as

  • Jáder Ferreira Leite Universidade Federal do Rio Grande do Norte
  • Magda Dimenstein Universidade Federal do Rio Grande do Norte
  • Victor Hugo Belarmino Universidade Federal do Rio Grande do Norte
  • João Paulo Macedo Universidade Federal do Piauí
  • Candida Dantas Universidade Federal do Rio Grande do Norte
  • Andressa Veras Carvalho Universidade Federal do Rio Grande do Norte
  • Antonio Alves Filho Universidade Federal do Rio Grande do Norte

Resumen

Objetivamos discutir as formas de participação política de mulheres quilombolas rurais, considerando os espaços de inserção, os desafios enfrentados e efeitos produzidos na vida cotidiana. Para tanto, realizamos entrevistas semiestruturadas como tática de produção de dados. As principais instâncias de participação das mulheres se dão em movimentos sociais, sindicato, a associação de moradores e grupos religiosos. Nesses espaços contribuem na presença em reuniões como ouvintes e na contribuição financeira mensal ao sindicato e à associação. As mulheres apontam dificuldades relativas aos lugares tradicionais de gênero, de ordem material como a falta de transporte, inviabilizando a participação em eventos, bem como forte desmobilização comunitária. Identificam repercussões da participação política em termos da melhoria nas condições de vida, na aquisição de novos conhecimentos e alteração nas relações comunitárias e familiares. A identidade étnico-racial e o racismo foram questões pouco evocadas no tocante aos conteúdos tratados nas instâncias de participação política.

Palabras clave

Participação Política, Mulheres, Comunidades Quilombolas, Rural

Citas

Aguiar, Vilenia (2016). Mulheres Rurais, Movimento Social e Participação: reflexões a partir da Marcha das Margaridas 1. Política & Sociedade, 15, 261. https://doi.org/10.5007/2175-7984.2016v15nesp1p261

Almeida, Alfredo (2011). Quilombolas e novas etnias. UEA Edições.

Almeida, Marineide; Soares, Ana; Lima, Josinete & Santos, Marcos (2013). A participação da mulher em organizações sociais rurais na Amazônia: estudo de caso no Arquipélago do Bailique, Estado do Amapá. PRACS: Revista Eletrônica de Humanidades do Curso de Ciências Sociais da UNIFAP, 6(2), 19-31. https://periodicos.unifap.br/index.php/pracs/article/view/801/n6Almeida.pdf

Bargas, Janine & Cardoso, Luís (2015). Cartografia social e organização política das comunidades remanescentes de quilombos de Salvaterra, Marajó, Pará, Brasil. Boletim do Museu Paraense Emílio Goeldi. Ciências Humanas, 10(2), 469-488. http://dx.doi.org/10.1590/1981-81222015000200013

Barros, Joana (2014). Movimentos sociais e subjetivação política: anotações sobre sociabilidade política brasileira recente. Revista Em Pauta, 34(12), 91-113. https://doi.org/10.12957/rep.2014.15081

Boni, Valdete (2004). Poder e igualdade: as relações de gênero entre sindicalistas rurais de Chapecó. Revista Estudos Feministas, 12(1), 289-302. https://doi.org/10.1590/S0104-026X2004000100015

Brito, Maria (2001). Gênero e cidadania: referenciais analíticos. Revista Estudos Feministas, 9(1), 291-298. https://doi.org/10.1590/S0104-026X2001000100017

Calheiros, Felipe & Stadtler, Hulda (2010). Identidade étnica e poder: os quilombos nas políticas públicas brasileiras. Revista Katálysis, 13(1), 133-139. http://dx.doi.org/10.1590/S1414-49802010000100016

Costa, Frederico & Prado, Marco (2017). Ações coletivas e comportamento político: produção científica da psicologia social brasileira (1986-2011). Athenea digital, 17(1), 205-230. https://doi.org/10.5565/rev/athenea.1785

Deere, Carmen (2004). Os direitos da mulher à terra e os movimentos sociais rurais na Reforma Agrária Brasileira. Revista Estudos Feministas, 12(1), 175-204. https://doi.org/10.1590/S0104-026X2004000100010

Duarte, Emmy (2011). Uma análise das relações de gênero e classe o papel diferenciado do sindicalismo rural em Alagoa Grande - PB. Revista Pegada, 12(2), 125-148. https://doi.org/10.33026/peg.v12i2.931

Favareto, Arilson (2006). Agricultores, trabalhadores: Os trinta anos do novo sindicalismo rural no Brasil. Revista Brasileira de Ciências Sociais, 21(62), 27-44. https://doi.org/10.1590/S0102-69092006000300002

Figueiredo, Ângela (2018). Perspectivas e contribuições das organizações de mulheres negras e feministas negras contra o racismo e o sexismo na sociedade brasileira. Revista Direito e Práxis, 9(2), 1080-1099. https://doi.org/10.1590/2179-8966/2018/33942

Fleury, Sonia (2014). Educação Popular e questões de poder. Interface: Comunicação Saúde Educação, 18(51), 1489-1491. https://doi.org/10.1590/1807-57622013.0607

Furtado, Marcella; Pedroza, Regina & Alves, Cândida (2014). Cultura, identidade e subjetividade quilombola: uma leitura a partir da psicologia cultural. Psicologia & Sociedade, 26(1), 106-115. https://doi.org/10.1590/S0102-71822014000100012

Gomes, Rita Maciazeki; Nogueira, Conceição & Toneli, Maria (2016). Mulheres em contextos rurais: um mapeamento sobre gênero e ruralidade. Psicologia & Sociedade, 28(1), 115-124. https://doi.org/10.1590/1807-03102015v28n1p115

Gomes, Rita Maciazeki; Nogueira, Conceição; Vazquez, Claudia & Toneli, Maria (2016). Participação política e subjetividade - Narrativas de vida de trabalhadoras rurais do sul do Brasil. Psico (Porto Alegre), 47(2), 148-158. http://dx.doi.org/10.15448/1980-8623.2016.2.21933

Hanisch, Carol (1969). The personal is political [site]. http://carolhanisch.org/CHwritings/PIP.html

Lacerda, Roberto & Silva, Gicélia (2016). Reterritorialização, conflitos ambientais e saúde em comunidades quilombolas de Sergipe. Revista da Associação Brasileira de Pesquisadores/as Negros/as (ABPN), 8(18), 239-254. http://abpnrevista.org.br/revista/index.php/revistaabpn1/article/view/50

Marin, Rosa & Castro, Edna (1999). Mobilização Política de Comunidades Negras Rurais. Cadernos NAEA, 2(2), 73-106. Recuperado de http://repositorio.ufpa.br/jspui/bitstream/2011/3131/1/Artigo_MobilizacaoPoliticaComunidades.pdf

Marques, Angela & Freitas, Viviane (2017). Gênero, autonomia e subjetivação política de mulheres negras no Brasil. Líbero, 20(40), 16-28. Recuperado de http://seer.casperlibero.edu.br/index.php/libero/article/view/900/854

Mendes, Maurício; Neves, Sandra; Neves, Ronaldo & Silva, Tânia (2014). A organização das mulheres extrativistas na região sudoeste mato-grossense, Brasil. Revista Estudos Feministas, 22(1), 71-89. https://doi.org/10.1590/S0104-026X2014000100005

Moraes, Lorena (2017). “Eu escuto o lado bom!” Um estudo sobre mulheres rurais do sertão pernambucano que enfrentam julgamentos e ampliam desejos a partir da participação política. Amazônica - Revista de Antropologia, 8(2), 264-282. http://dx.doi.org/10.18542/amazonica.v8i2.5039

Oliveira, Antonimária & Leite, Jáder (2016). Produção de sentidos sobre a militância política de mulheres vinculadas ao MST. Revista Subjetividades, 16(1), 81-190. http://dx.doi.org/10.5020/23590777.16.1.181-190

Paulilo, Maria (2016). Mulheres rurais: quatro décadas de diálogo. Ed. da UFSC.

Picolotto, Everton L. (2018). Pluralidade sindical no campo? Agricultores familiares e assalariados rurais em um cenário de disputas. Lua Nova: Revista de Cultura e Política, 104, 201-238. https://doi.org/10.1590/0102-201238/104

Rago, Margareth (2019). “Estar na hora do mundo”: subjetividade e política em Foucault e nos feminismos. Interface - Comunicação, Saúde, Educação, 23, e180515. https://doi.org/10.1590/interface.180515

Ramos, Daniela P. (2015). A família e a maternidade como referências para pensar a política. Revista Brasileira de Ciência Política, 16, 87-120. https://doi.org/10.1590/0103-335220151605

Salvagni, Janaína, & Canabarro, Julice (2015). Mulheres líderes: as desigualdades de gênero, carreira e família nas organizações de trabalho. GeSec - Revista de Gestão e Secretariado, 6(2), 88-110. https://doi.org/10.7769/gesec.v6i2.347

Salvaro, Giovana; Lago, Mara & Wolff, Cristina (2014). Limites e possibilidades da militância política em um movimento social rural de mulheres. Revista Estudos Feministas, 22(1), 51-70. https://doi.org/10.1590/S0104-026X2014000100004

Santos, Eumara (2019). Ser negro na América Latina: sobre identidades plurais e dinâmicas dos afrodescendentes. Revista Fórum Identidades, 0(1), 45-59. https://seer.ufs.br/index.php/forumidentidades/article/view/11581/8792

Spivak, Gayatri (2010). Pode o subalterno falar? Editora UFMG.

Valentim, Renata & Trindade, Zeidi (2011). Modernidade e comunidades tradicionais: memória, identidade e transmissão em território quilombola. Revista Psicologia Política, 11(22), 295-308. http://pepsic.bvsalud.org/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S1519-549X2011000200008&lng=pt&tlng=pt.

Weschenfelder, Viviane & Silva, Mozart (2018). A cor da mestiçagem: o pardo e a produção de subjetividades negras no Brasil contemporâneo. Análise Social, 227, 308-330. http://dx.doi.org/10.31447/AS00032573.2018227.03

Biografía del autor/a

Jáder Ferreira Leite, Universidade Federal do Rio Grande do Norte

Doutor em Psicologia Social - UFRN. Professor associado do Departamento de Psicologia - UFRN

Magda Dimenstein, Universidade Federal do Rio Grande do Norte

Professora Titular do Departamento de Psicologia da Universidade Federal do Rio Grande do Norte, bolsista de produtividade 1a/cnpq

Victor Hugo Belarmino, Universidade Federal do Rio Grande do Norte

Mestre em Psicologia Social – UFRN

João Paulo Macedo, Universidade Federal do Piauí

Doutor em Psicologia Social - UFRN. Professor adjunto do Departamento de Psicologia – UFPI, bolsista de produtividade CNPQ

Candida Dantas, Universidade Federal do Rio Grande do Norte

Doutora em Psicologia Social - UFRN. Professora adjunta do Departamento de Psicologia – UFRN

Andressa Veras Carvalho, Universidade Federal do Rio Grande do Norte

Mestre em Psicologia Social – UFPI

Antonio Alves Filho, Universidade Federal do Rio Grande do Norte

Doutor em Psicologia Social - UFRN. Professor adjunto do Departamento de Administração - UFRN

Publicado

16-06-2021

Descargas

Los datos de descargas todavía no están disponibles.