Las prácticas jurídicas y la judicialización del trabajo de asistencia social

Lucia Regina Ruduit Dias, Andréa Vieira Zanella, Jaqueline Tittoni

Resumen

O objetivo deste artigo é analisar a forma como as práticas jurídicas de trabalhadoras da assistência social se coadunam aos fluxos judicializantes do/no trabalho, ressaltando a resistência destes profissionais mediante a criação de processos de contraconduta. As ferramentas utilizadas para produção de informações na pesquisa-intervenção foram: acompanhamento das atividades da equipe, observações, entrevistas, conversas informais e oficina de fotografia. As análises realizadas, fundamentadas em Michel Foucault, evidenciaram forças judicializantes no trabalho da assistência social, bem como práticas jurídicas enraizadas através dos mecanismos da prova, do exame, do testemunho e do medo de advir criminosa. Entretanto, o estudo evidenciou também a presença de contracondutas às forças judicializantes, que se constituem através da coletivização no/do trabalho e a potência da pesquisa-intervenção para as análises dos processos de trabalho e para a construção coletiva de alternativas a problemas em tal processo.

Palabras clave

Assistência social; Judicialização; Práticas jurídicas; Pesquisa-intervenção

Texto completo:

PDF (Português)

Referencias

Aguiar, Katia F. & Rocha, Marisa L. (2007). Micropolítica e o exercício da pesquisa-intervenção: Referenciais e dispositivos em análise. Psicologia, ciência e profissão, 27(4), 648-663. https://doi.org/10.1590/S1414-98932007000400007

Augusto, Acácio (2012). Juridicialização da vida: democracia e participação. Anarquia e o que resta. Psicologia & Sociedade, 24(spe), 31-38. https://doi.org/10.1590/S0102-71822012000400006

Dias, Lúcia R. R. (2017). Judicialização e contracondutas no trabalho da equipe de um CREAS: forças em tensão na assistência social. Tese de doutorado inédita, Universidade Federal de Santa Catarina.

Dias, Lúcia R. R., Zanella, Andréa V. & Tittoni, Jaqueline. (2017). Oficinas de fotografia na pesquisa-intervenção: construção de coletivos de trabalho. NUPEM, 9(16), 158-174. https://doi.org/10.33871/nupem.v9i16.144

Barroso, Luís Roberto (2012). Judicialização, Ativismo Judicial e Legitimidade Democrática. (Syn)thesis, 5(2), 23-32. Recuperado de: http://www.direitofranca.br/direitonovo/FKCEimagens/file/ArtigoBarroso_para_Selecao.pdf

Código Penal (1940). Decreto-Lei, nº 2.848, de 7 de dezembro de 1940. Recuperado de http://www.planalto.gov.br/CCIVIL_03/Decreto-Lei/Del2848.htm

Coimbra, Cecilia M. B. (2011). Ética, direitos humanos e biopoder. Verve, 20, 85-100. https://doi.org/10.23925/verve.v0i20.14545

Constituição da República Federativa do Brasil de 1988. (1988, 5 de outubro). Recuperado de http://www2.camara.leg.br/atividade-legislativa/legislacao/Constituicoes_Brasileiras/constituicao1988.html/ConstituicaoTextoAtualizado_EC84.pdf

Couto, Berenice R. (2015). Assistência social: direito social ou benesse? Serviço Social & Sociedade, 124, 665-677. https://doi.org/10.1590/0101-6628.045

Escóssia, Liliana (2009). O coletivo como plano de criação na saúde pública. Interface: comunicação, saúde, educação. 13(1), 689-94. https://doi.org/10.1590/S1414-32832009000500019

Ferreira, Ivanete B. (1999). Assistência Social: os limites à efetivação do direito. Katálysis, 0(4), 65-74. https://doi.org/10.1590/%25x

Foucault, Michel (1984/2006). A ética do cuidado de si como prática da liberdade. In: Michel Foucault, Ditos e escritos V. (2a ed., pp. 264-287). Rio de Janeiro: Forense Universitária.

Foucault, Michel (1976/2006). História da sexualidade I: A vontade de saber. (17a ed.). Rio de Janeiro: Edições Graal.

Foucault, Michel (1970/2007). A ordem do discurso. (15a ed.). São Paulo: Edições Loyola.

Foucault, Michel (2004/2008). Segurança, território, população. São Paulo: Martins Fontes.

Foucault, Michel (1984/2009). História da sexualidade II: O uso dos prazeres. (13a ed.). São Paulo: Edições Graal.

Foucault, Michel (1975/2009). Vigiar e punir: nascimento da prisão. (36a ed.). Petrópolis: Vozes.

Foucault, Michel (1980/2011). Do governo dos vivos. Rio de Janeiro: Achimé.

Foucault, Michel (1996/2013). A verdade e as formas jurídicas. Rio de Janeiro: Nau.

Grabois, Pedro F. (2011). Resistência e revolução no pensamento de Michel Foucault: contracondutas, sublevações e lutas. Cadernos de ética e filosofia política, 19, 7-27. Recuperado de http://www.revistas.usp.br/cefp/article/view/55736

Instituto de Pesquisa Econômica Aplicada (2015). As relações entre o Sistema Único de Assistência Social – SUAS e o Sistema de Justiça. Ministério da Justiça, Secretaria de Assuntos Legislativos. Brasília: Ministério da Justiça, Secretaria de Assuntos Legislativos (SAL). Recuperado de http://pensando.mj.gov.br/wp-content/uploads/2015/12/PoD_58_Ana-Paula_web1.pdf

Lobo, Lilia F. (2012). A expansão dos poderes judiciários. Psicologia & Sociedade; 24(spe.), 25-30. https://doi.org/10.1590/S0102-71822012000400005

Lourau, Renè (1993). Análise Institucional e práticas de pesquisa. Rio de Janeiro: UERJ. Recuperado de https://www.e-publicacoes.uerj.br/index.php/mnemosine/article/view/41317/pdf_100

Maraschin, Cleci (2004). Pesquisar e intervir. Psicologia & Sociedade, 16(1), 98-107. https://doi.org/10.1590/S0102-71822004000100008

Ministério do Desenvolvimento Social e Combate à Fome (2004). Política Nacional de Assistência Social. Brasília: Autor.

Ministério do Desenvolvimento Social e Combate à Fome (2005). Norma Operacional Básica NOB/SUAS. Brasília: Autor.

Ministério do Desenvolvimento Social e Combate à Fome (2006). Norma Operacional Básica de Recursos Humanos do SUAS – NOB-RH/SUAS. Brasília: Autor.

Nascimento, Maria Livia (2012). Abrigo, pobreza e negligência: percursos de judicialização. Psicologia & Sociedade, 24(spe.), 39-44. https://doi.org/10.1590/S0102-71822012000400007

Oliveira, Camila F. B. & Brito, Leila M. T. (2013). Judicialização da vida na contemporaneidade. Psicologia ciência e profissão, 33(esp.), 78-89. Recuperado de http://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S1414-98932013000500009&lng=en&nrm=is0

Paulon, Simone M. (2005). A análise de implicação como ferramenta na pesquisa-intervenção. Psicologia & Sociedade, 17(3), 18-25. http://dx.doi.org/10.1590/S0102-71822005000300003

Paulon, Simone M. (2009). Instituição e intervenção institucional: percurso conceitual e percalços metodológicos. Mnemosine, 5(2), 189-226. Recuperado de https://www.ufrgs.br/intervires/wp-content/uploads/2015/06/PAULON-Simone-Instituição-e-intervenção-institucional.pdf

Paulon, Simone M. & Romagnoli, Roberta C. (2010). Pesquisa-intervenção e cartografia: melindres e meandros metodológicos. Estudos e pesquisa em psicologia, 1, 85-102. Recuperado de http://www.revispsi.uerj.br/v10n1/artigos/pdf/v10n1a07.pdf

Pereira, Vinicius T., Freitas, Cristiane R. & Dias, Daniela D. (2016). Violação de direitos no SUAS: a precarização da vida. Polis e Psique, 6(2), 25-44. https://doi.org/10.22456/2238-152X.62300

Prado Fº, Kleber (2012). Uma breve genealogia das práticas jurídicas no ocidente. Psicologia & Sociedade, 24(spe.), 104-111. https://doi.org/10.1590/S0102-71822012000400015

Rifiotis, Theophilos; Vieira, Danielli & Dassi, Tatiana (2016). Judicialização das relações sociais e configurações de sujeito entre jovens cumprindo medidas socioeducativas em Santa Catarina. Anuário Antropológico, Brasília, 41(1), 35-55. https://doi.org/10.26512/anuarioantropologico.v41i1.2016/6480

Rocha, Marisa L. & Aguiar, Katia (2003). Pesquisa-intervenção e a produção de novas análises. Psicologia ciência e profissão, 23(4), 64-73. http://dx.doi.org/10.1590/S1414-98932003000400010

Romanini, Moisés & Detoni, Priscila P. (2014). A culpabilização como efeito do modo indivíduo de subjetivação nas políticas sociais. Polis e Psique, 4(2), 206- 229. https://doi.org/10.22456/2238-152X.51093

Sant’anna, Denise B. (2001). Corpos de passagem: ensaios sobre a subjetividade. São Paulo: Estação Liberdade.

Silva, Sheyla S. S. (2013). Contradições da Assistência Social no governo “neodesenvolvimentista” e suas funcionalidades ao capital. Serviço Social & Sociedade, 113, 86-105. https://dx.doi.org/10.1590/S0101-66282013000100004

Supremo Tribinal Federal (2011). Sistema Judiciário Brasileiro: organização e competências. Recuperado em http://www.stf.jus.br/portal/cms/verNoticiaDetalhe.asp?idConteudo=169462

Tittoni, Jaqueline; Dias, Lúcia R. R.; Trein, Ana L. & Prudente, Jéssica (2017). O trabalho como arte: Invenção e criação nos modos de trabalhar. Psicoperspectivas, 16(1), 117-131.

Yamamoto, Oswaldo H. & Oliveira, Isabel F. (2010). Política Social e Psicologia: Uma Trajetória de 25 Anos. Psicologia: Teoria e Pesquisa, 26 (spe.), 9-24. https://doi.org/10.1590/S0102-37722010000500002 ” target=“_blank”>https://doi.org/10.5027/psicoperspectivas-Vol16-Issue1-fulltext-869 Yamamoto,

Oswaldo H. & Oliveira, Isabel F. (2010). Política Social e Psicologia: Uma Trajetória de 25 Anos. Psicologia: Teoria e Pesquisa, 26 (spe.), 9-24. https://doi.org/10.1590/S0102-37722010000500002

Zanella, Andréa V. (2013). Perguntar, registrar, escrever: inquietações metodológicas. Porto Alegre: Sulina, Editora da UFRGS.

Métricas de artículo

Cargando métricas ...

Metrics powered by PLOS ALM
Copyright (c) 2019 Lucia Regina Ruduit Dias, Andréa Vieira Zanella, Jaqueline Tittoni