Humanizar usuarios de crack en la investigación. Consideraciones sobre Cracolândia

Autores/as

  • Ygor Alves UNIFESP
  • Pedro Gomes Pereira Universidade Federal do Estado de São Paulo

Resumen

This article is based on ethnographic research that has developed in the São Paulo region known as Cracolândia. Ethnographic accounts are added to the portion of academic literature on the subject, some news in the media and excerpts from conversations with visitors from that specific part of the neighborhood of Luz. Through them, we seek to make sense of a more human picture of the place and the people who have found a way of life there. We have come to know that people who use crack in that context cannot be scaled solely by their drug use; and that even Cracolândia can be perceived and experienced as a place full of joy and humanity, despite the moral panic surrounding crack.

Palabras clave

Cracolândia, Cocaína, Comunidades, Etnografia, De Braços Abertos

Citas

Acioli Neto, Manoel de L. & Santos, Maria de F. (2015). Os usos sociais do crack. Edufpe.

Adorno, Rubens C. F., Rui, Taniele, Silva Selma L. da; Malvasi, Paulo A.; Vasconcellos, Maria da P.; Gomes, Bruno R. & Godoi Tiago C. (2013). Etnografia da cracolândia: notas sobre uma pesquisa em território urbano. Saúde & Transformação Social/Health & Social Change, 4(2), 4-13.

Aguirre, Franklyn M. (2016). Projeto de intervenção educativa para a redução do uso de drogas na adolescência. (Monografia). Universidade Federal de Minas Gerais.

Alves, Ygor Diego D. (1998). Um vício deselegante: o preconceito racial e a transformação da maconha em problema público no Brasil. Dissertação de Mestrado inédita. Pontifícia Universidade Católica de São Paulo, São Paulo.

Alves, Ygor Diego D. (2014). A Cracolândia como “Communitas” e o frade craqueiro. In: Tatiana Ramminger & Martinho Silva (Eds.), Mais substâncias para o trabalho em saúde com usuários de drogas. (pp. 83-98). Rede Unida.

Alves, Ygor Diego D. (2017). Jamais fomos zumbis: contexto social e craqueiros na cidade de São Paulo. Edufba. https://doi.org/10.7476/9788523218591

Arruda, Marcel S. B. (2014). A cracolândia muito além do crack. Tese de Doutorado inédita. Universidade de São Paulo, São Paulo.

Ataides, Roberta P. (2017). Estigma e pessoas que usam crack: uma análise das publicações dos dois maiores jornais impressos do Brasil entre 2013 e 2014. Dissertação de Mestrado inédita. Universidade de Brasília, Brasília.

Bastos, Francisco I. & Strathdee, Steffanie A. (2000). Evaluating effectiveness of syringe exchange programmes: current issues and future prospects. Social science & medicine, 51(12), 1771-1782.

Becker, Beatriz (2005). Telejornalismo de qualidade: um conceito em construção. Revista Galáxia, (10), 51-64.

Bergamim Jr., Giba & Sant’anna, Emilio (2015, mayo 17). Em SP, 4 em cada 10 desistem de ação anticrack de Haddad. Folha de São Paulo, São Paulo. http://www1.folha.uol.com.br/cotidiano/2015/05/1629921-4-em-cada-10-desistem-de-acao-anticrack-de-haddad.shtml

Bucher, Richard & Oliveira, Sandra R. (1994). O discurso do “combate às drogas” e suas ideologias. Revista de Saúde Pública, 28, 137-145. https://doi.org/10.1590/S0034-89101994000200008

Carneiro, Beatriz. (1993). A vertigem dos venenos elegantes. São Paulo. Dissertação de Mestrado inédita. Pontifícia Universidade Católica de São Paulo, São Paulo.

Clemente, Marcelo (2016). A Cracolândia dia a dia. Giostri.

Cremesp. (2012). Cracolândia, por diretrizes convergentes. Revista Latino-americana de Psicopatologia Fundamental. São Paulo, 15(1), 11-13. https://doi.org/10.1590/S1415-47142012000100001

Domanico, Andrea. (2006). “Craqueiros e Cracados: bem-vindo ao mundo dos noias!” estudo sobre a implementação de estratégias de redução de danos para usuários de crack nos cinco projetos-piloto do Brasil. Tese de Doutorado inédita. Universidade Federal da Bahia, Salvador.

Domingos, Renata C. N. (2015). São Paulo fashion district: modelos de parcerias para viabilizar um polo criativo de moda em São Paulo. (Monografia). Escola de Administração de Empresas de São Paulo.

Elias, Norbert. (2001). A sociedade de corte: investigação sobre a sociologia da realeza e da aristocracia da corte. Zahar.

Fernandes, José Luís & Pinto, Marta (2004). El espacio urbano como dispositivo de control social: territorios psicotrópicos y políticas de la ciudad. In: Romaní Alfonso O (Coord.), Uso de Drogas y Drogodependencias (pp. 147-162). Fundación Medicina y Humanidades Médicas.

Fromm, Deborah. (2017). Percursos e refúgios urbanos. Notas sobre a circulação de usuários de crack pela trama institucional da Cracolândia de São Paulo. Ponto Urbe. Revista do núcleo de antropologia urbana da USP, 21. (pp-1-15). https://doi.org/10.4000/pontourbe.3604

Frúgoli Jr, Heitor & Chizzolini, Bianca B. (2012). Moradias e práticas espaciais na região da Luz, Ponto Urbe, http://journals.openedition.org/pontourbe/1135.

Gomes, Bruno R. & Adorno, Rubens D. C. F. (2011). Tornar-se “noia”: trajetória e sofrimento social nos “usos de crack” no centro de São Paulo. Etnográfica. Revista do Centro em Rede de Investigação em Antropologia, 15(3), 569-586.

Gonçalves, Carlos A. (2011). Paitrocínio, tecno-macumba, maridoteca: o comportamento das formas combinatórias no português do brasil. Revista da ABRALIN, 10, 67-90. https://doi.org/10.25189/rabl.v10i2.32060

Gonçalves, Eduardo. (2015, 28 fev). Hotéis da Cracolândia: o retrato de um programa que não deu certo. Veja.com. http://veja.abril.com.br/politica/hoteis-da-cracolandia-o-retrato-de-um-programa-que-nao-deu-certo/#.

Grund, Jean-Paul (1993). Drug use as a social Ritual: Functionality, symbolism and determinants of self-regulation. Institute Voor Verslavingsondersoek, Erasmus Universiteit.

Habermas, Jurgen. (2003). Mudança estrutural da esfera pública: investigações quanto a uma categoria da sociedade burguesa. Tempo Brasileiro.

Hitzler, Ronald & Pfadenhauer, Michaela (2002). Existential strategies: The making of community and politics in the techno/rave scene. In Postmodern existential sociology. (pp. 87-101). Altamira press.

Lancetti, Antônio (2015). Contrafissura e plasticidade psíquica. Hucitec.

Magalhães, Taís R. P. (2015). Campos de disputa e gestão do espaço urbano: o caso da ‘cracolândia’ paulistana. Tese de Doutorado inédita. Universidade de São Paulo, São Paulo.

Maior, Mario S. (1985). Dicionário folclórico da cachaça. Fundação Joaquim Nabuco.

Maiorki, Giovane J. & Dallabrida, Valdir R. (2015). A indicação geográfica de produtos: um estudo sobre sua contribuição econômica no desenvolvimento territorial. In: Valdir R. Dallarida (Ed.), Indicação geográfica e desenvolvimento territorial: Reflexões sobre o tema e potencialidades no Estado de Santa Catarina (pp. 13-25). LiberArs.

Nasser, Marina M. S. (2016). No labirinto: formas de gestão do espaço e das populações na Cracolândia. Dissertação de Mestrado inédita. Universidade de São Paulo, São Paulo.

Nasser, Marina M. S. (2017). Cracolândia como campo de gravitação, Ponto Urbe, 21 (1), 1-16. https://doi.org/10.4000/pontourbe.3530

Noto, Ana R.; Opaleye, Emérita S.; Locatelli, Danilo P. & Ronzani, Telmo M. (2013). Cobertura jornalística sobre drogas: distorções e potencialidades. Ações integradas sobre drogas: prevenção, abordagens e políticas públicas

Oliveira, Natalia. (2012). A intervenção policial na cracolândia e a concepção integrada de justiça de Nancy Fraser. (Monografia). Universidade Federal de Juiz de Fora, Juiz de Fora https://repositorio.ufjf.br/jspui/handle/ufjf/5085

Oliveira, Lúcio G. & Nappo, Solange A. (2008). Caracterização da cultura de crack na cidade de São Paulo: padrão de uso controlado. Revista de Saúde Pública, 42(4), 664-671. https://doi.org/10.1590/S0034-89102008000400012

Pfadenhauer, Michaela (2005). Ethnography of scenes. Towards a sociological life-world analysis of (post-traditional) community-building. Forum Qualitative Sozialforschung / Forum: Qualitative Social Research, 6(3): 1-10. http://nbn-resolving.de/urn:nbn:de:0114-fqs0503430

Perlongher, Nestor. (1987/2008). O negócio do michê: a prostituição viril. Brasiliense.

Pezoti, Rosangela (2012). O Projeto Nova Luz e a participação dos sujeitos coletivos e políticos: um processo de reurbanização em questão. Dissertação de Mestrado inédita, Pontifícia Universidade Católica de São Paulo, São Paulo.

Queiroz, Jorge (2015). Corruption: Can Brazil win this war? Dissertação de Mestrado inédita. The University of Bergen, Bergen.

Raupp, Luciane M. & Adorno, Rubens. (2010). Uso de crack na cidade de São Paulo/Brasil. Toxicodependências, 16(2), 29-37.

Raupp, Luciane M. & Adorno, Rubens. (2011). Circuitos de uso de crack na região central da cidade de São Paulo. Ciência & Saúde Coletiva. 16(5), 2613-2622. https://doi.org/10.1590/S1413-81232011000500031

Raupp, Luciane M. & Adorno, Rubens. (2015). Jovens em situação de rua e usos de crack: um estudo etnográfico em duas cidades. Revista Brasileira Adolescência e Conflitualidade, 2011(4), 52-67.

Rodrigues, Artur; Lobel, Fabrício; Souza, Felipe & Bergamim Jr., Giba. (2015, abril 29). Operação desastrada acaba em confronto na cracolândia. Folha de São Paulo. http://www1.folha.uol.com.br/cotidiano/2015/04/1622902-operacao-desastrada-acaba-em-confronto-na-cracolandia.shtml

Rui, Taniele, Adorno, Rubens; Calil, Thiago; Gomes, Bruno R.; Malvasi, Paulo; Silva, Selma & Vasconcellos, Maria da P. (2014). Amarga delícia: experiências de consumo de crack na região central de São Paulo (BR). Revista Inter-Legere, 15, 87-109.

Santos, Carla A. dos (2011). A situação do crack na cidade de São Paulo. (Monografia). Universidade Tecnológica Federal do Paraná.

Santos, Fabiano C. dos (2017). O aprendizado social do uso explícito de drogas e a construção dos circuitos legalize na cidade. In: Anais do 6º Congresso Internacional ABRAMD. http://www.congressointernacional2017.abramd.org/arquivo/downloadpublic?q=YToyOntzOjY6InBhcmFtcyI7czozNDoiYToxOntzOjEwOiJJRF9BUlFVSVZPIjtzOjM6IjQ5NiI7fSI7czoxOiJoIjtzOjMyOiIwZmRiNjRiYTBjNmM4ODQ5MjgzNjZiY2QyMDk1YmE3ZCI7fQ%3D%3D.

Silva, Luane (2016). As ruas são para dançar: mapas, labirintos e caminhos no baixocentro. Revistacpf, 3(2), 208-23.

Tavares, Felipe R. (2014). Territorializações precárias na cidade: um estudo de caso sobre as cracolândias. História, Natureza e Espaço-Revista Eletrônica do Grupo de Pesquisa NIESBF, 2(2), 1-10.

Taussig, Michael. (1993). Xamanismo, colonialismo e o homem selvagem: um estudo sobre o terror e a cura. Paz e Terra.

Teles, Lelê. (2015, mayo 19). Como fazer uma manchete canalha. Fórum. https://revistaforum.com.br/blogs/mariafro/bmariafro-lele-teles-unica-coisa-negativa-da-operacao-bracos-abertos-e-manchete-canalha-da-folha/.

Terra. (2015, janeiro 19). Programa reduz em 80% número de usuários na Cracolândia. Terra. https://www.terra.com.br/noticias/brasil/cidades/programa-reduz-em-80-numero-de-usuarios-na-cracolandia,a73ea1a19c30b410VgnVCM3000009af154d0RCRD.html.

Turner, Victor. (1974). O Processo Ritual: Estrutura e Antiestrutura (Tradução de Nancy Campi de Castro). Vozes.

Valverde, Rodrigo (2016). Cracolândia: a heterotopia de um espaço público. Boletim Campineiro de Geografia, 5(2), 211-230.

Varanda, Walter. (2009). Liminaridade, bebidas alcoólicas e outras drogas: funções e significados entre moradores de rua. Tese de Doutorado inédita. Universidade de São Paulo, São Paulo.

Zanotto, Daniele F. & Assis, Fátima B. (2017). Perfil dos usuários de crack na mídia brasileira: análise de um jornal e duas revistas de edição nacional. Physis: Revista de Saúde Coletiva, 27, 771-792. https://doi.org/10.1590/S0103-73312017000300020

Zinberg, Norman E. (1984). Drug, Set, and Setting: the basis for controlled intoxicant

Publicado

06-10-2021

Descargas

Los datos de descargas todavía no están disponibles.