Entre el nacimiento y la muerte: reflexiones sobre experiencias de campo

Autores/as

Resumen

O nascimento e a morte, como eventos limite da vida, possuem pontos de convergência. Discutir as formas pelas quais esses eventos acontecem nos serviços de saúde e como impactam a vida das pessoas envolvidas é fundamental para a produção de cuidados. Esta reflexão tem como objetivo relatar e discutir os resultados de duas investigações desenvolvidas em contextos de atenção ao parto e em uma UTI neonatal. Refletir sobre o nascimento e a morte é essencial para a promoção da atenção integral e humanizada em saúde. O exercício de práticas de cuidado alicerçadas na humanização e nos direitos é capaz de produzir espaço de trocas, de aprendizado e de vivências às famílias, aos profissionais, às mulheres e aos bebês no interior dos serviços de saúde.

Palabras clave

Nascimento, Morte, Integralidade em saúde, Humanização, Empatia

Citas

Benedetto, Maria Auxiliadora Craice de; Vieira, Nádia Vitorino; Holanda, Fabíola (2011). Narrativas em saúde: um recurso para lidar com a dor, o sofrimento e a morte. Oralidades – Revista de História Oral, 5(10), 17-30. https://www.revistas.usp.br/oralidades/article/view/107244/105761

Brigagão, Jacqueline Isaac Machado (2016). Aspectos éticos nas pesquisas no cotidiano. Athenea Digital, 16(2), 363-372. https://doi.org/10.5565/rev/athenea.1842

Cordeiro, Mariana P.; Freitas, Tiago R.; Conejo, Simone P.; Luz, George M. (2014). Como pensamos ética em pesquisa. In: Mary Jane Paris Spink, Jacqueline Isaac Machado Brigagão, Vanda Lúcia Vitoriano do Nascimento & Mariana Prioli Cordeiro. (Orgs.). A produção de informação na pesquisa social: compartilhando ferramentas (pp. 31-56). Centro Edelstein de Pesquisas Sociais.

Davis, Deborah L. (1996). Empty cradle, broken heart: surviving the death of your baby. FulcrumPublishing.

Freire, Paulo (1996). Pedagogia da autonomia. Paz e Terra.

Foucault, Michel (1978/1998). O nascimento do hospital. In: Microfísica do poder (p. 79-98). Edições Graal.

Foucault, Michel (1976/2014). História da sexualidade (v. 1): a vontade de saber. Paz & Terra.

Frank, Arthur W. (1998). Just listening: narrative and deep illness. Families, Systems, & Health, 16(3), 197-212.

Goytacaz, Camila (2015). Até breve, José. Dita Livros.

Illich, Ivan (1976). Medical nemesis: the expropriation of health. Random House.

Kovács, Maria Júlia. (1992). Morte e desenvolvimento humano. Casa do Psicólogo.

Machado, Igor José de Renó (2013). O inverso do embrião: reflexões sobre a substancialidade da pessoa em bebês prematuros. Mana, 19(1). https://doi.org/10.1590/S0104-93132013000100004

Martins, Luiz Alberto Moreira & Peixoto Junior, Carlos Augusto (2009). Genealogia do biopoder. Psicologia & Sociedade, 21(2). https://doi.org/10.1590/S0102-71822009000200002

Mattos, Ruben Araújo (2001). Os sentidos da integralidade: algumas reflexões acerca de valores que merecem ser defendidos. In: Pinheiro, Roseni; Mattos, Ruben de Araújo (Org.). Os sentidos da integralidade na atenção e no cuidado à saúde (pp. 39-64). Rio de Janeiro: UERJ/IMS:Abrasco.

Merhy, Emerson Elias (2000). Um ensaio sobre o médico e suas valises tecnológicas: contribuições para compreender as reestruturações produtivas do setor saúde. Interface - Comunicação, Saúde, Educação, 4(6), 109-116. https://doi.org/10.1590/S1414-32832000000100009

Merhy, Emerson Elias; Feuerwerker, Laura C. M.; Cerqueira, Maria Paula (2010). Da repetição à diferença: construindo sentidos com o outro no mundo do cuidado. In: Tulio B. Franco & Valéria do Carmo Ramos (Orgs.), Semiótica, afecção & cuidado em saúde (pp. 60-75). Hucitec.

Mol, Annemarie. (2002). The bodymultiple: ontology in medical practice. Duke University Press.

Rohden, Fabíola (2006). Sexualidade e gênero na medicina. In: Alicia N. Souza & Jaqueline Pitanguy (Orgs.), Saúde, corpo e sociedade (pp. 157-180). UFRJ.

Salim, Natália Rejane; Gualda, Dulce Maria Rosa & Soares, Glauce Cristina Ferreira (2017). Vivendo o parto: diferentes realidades, diferentes contextos. In: Dulce Maria Rosa Gualda, Edemilson Antunes de Campos, Glauce Cristiane Ferreira Soares, Natália Rejane Salim, Neide de Souza Praça (Org.). Nascimento: perspectivas antropológicas (pp. 165-191). Ícone.

Silva, Isabella Navarro; Salim, Natália Rejane; Szylit, Regina; Sampaio, Patricia Stella Silva; Ichikawa, Carolliny Rossi de Faria; dos Santos, Maiara Rodrigues. (2017). Conhecendo as práticas de cuidado da equipe de enfermagem em relação ao cuidado na situação de final de vida de recém-nascidos. Escola Anna Nery, 21(4), e20160369. https://doi.org/10.1590/2177-9465-ean-2016-0369

Sousa, Noelma C. De & Meneses, Antonio B. N. T. De (2010). O poder disciplinar: uma leitura em vigiar e punir. Saberes: Revista interdisciplinar de Filosofia e Educação, 1(4). 18-35 https://periodicos.ufrn.br/saberes/article/view/561

Spink, Mary Jane (2003). Psicologia social e saúde: práticas, saberes e sentidos. Vozes.

Spink, Peter K. (2008). O pesquisador conversador no cotidiano. Psicologia & Sociedade, 20(n.spe), 70-77. https://doi.org/10.1590/S0102-71822008000400010

Tornquist, Carmen Susana (2004). Parto e poder: o movimento pela humanização do parto no Brasil. Tese de doutorado inédita. Universidade Federal de Santa Catarina, Florianópolis.

Biografía del autor/a

Natália Rejane Salim, Universidade Federal de São Carlos

Bacharel em obstetrícia pela Universidade de São Paulo. Doutora em Ciências pela Escola de Enfermagem da Universidade de São Paulo. Professora do Departamento de Enfermagem da Universidade Federal de São Carlos. Realizou estágio na Faculty of Social Sciences da University of Ottawa no Canadá (Bolsista Sanduíche CAPES). Trabalha com pesquisa qualitativa com foco na saúde da mulher; nas relações de cuidado nos contextos de atenção à saúde, direitos sexuais e reprodutivos.

Glauce Cristine Ferreira Soares, Universidade de São Paulo

Obstetriz pela Universidade de São Paulo (2011). Doutorado Direto pelo Programa Interunidades de Doutoramento em Enfermagem EE-EERP/USP, Escola de Enfermagem - Universidade de São Paulo, bolsista pela CAPES. Presidente da Associação de Obstetrizes da USP no período Outubro 2014- Maio 2017. Tem interesse em pesquisa social na área da saúde, em especial saúde materno infantil. Atualmente estuda antropologia do nascimento, com foco em experiencias de mulheres e profissionais e suas relações com questões como corpo, medicalização, práticas de saúde, humanização. Faz parte do grupo de pesquisa Sociedade, Cultura e o Processo Saúde-doença da Escola de Enfermagem da USP. Participa das reuniões do NEHO - Núcleo de Estudos em História Oral da FFLCH-USP.

Regina Szylit, Universidade de São Paulo

Professora Titular, Chefe do Departamento de Enfermagem Materno Infantil e Psiquiátrica da Escola de Enfermagem da USP (EEUSP), Presidente do Programa Interunidades de Doutoramento em Enfermagem e Editora Científica da Revista da Escola de Enfermagem da USP. Graduada em Enfermagem pela EEUSP (1984), com mestrado em Enfermagem Pediátrica (1992) e doutorado em Enfermagem pela Universidade de São Paulo (1999). Em 2004 participou do programa de pós-doutorado na School of Nursing Yale University (New Haven, EUA), em pesquisas na temática de cuidados paliativos. Desde 2008 é líder do Núcleo Interdisciplinar de Pesquisa em Perdas e Luto - NIPPEL. Dedica-se à produção de conhecimentos relativos às áreas de enfermagem da família, morte e luto, cuidados paliativos e métodos qualitativos de pesquisa. Fundadora da Red Internacional de Enfermería en Cuidados Paliativos/ Enf Americas OPS. Realizou pesquisa no exterior junto ao Childrens National Hospital Washington DC em parceria com a Professora Pamela Hinds. Desenvolve atividades na área de inovação tecnológica, atuando principalmente na tecnologia da informação nas áreas de enfermagem da família, morte e luto, cuidados paliativos. É supervisora de pós-dutorado. Tem realizado atividades técnicas de intercâmbio internacional como professora visitante em diversas universidades. Integra o International Work Group in Death, Dying and Bereavement (IWG), além de participar do Conselho Editorial de periódicos nacionais e internacionais. Foi presidente da Comissão de Pesquisa da EEUSP de 2008 a 2012.

Cláudia Malinverni, Universidade de São Paulo Faculdade de Saúde Pública

Doutora em Ciências pela Faculdade de Saúde Pública da Universidade de São Paulo, onde também concluiu o mestrado (2011). Graduada em Comunicação Social pelo Centro Universitário das Faculdades Integradas Alcântara Machado (1989), habilitação em jornalismo. Atualmente é coordenadora editorial do Projeto Audioteca da Biblioteca Virtual de Saúde Pública/FSP-USP. Tem experiência na área da comunicação, com ênfase em comunicação e saúde, atuando principalmente nas seguintes áreas de pesquisa: teorias do jornalismo, saúde coletiva, práticas discursivas e produção de sentidos no cotidiano.

Dulce Maria Rosa Gualda, Escola de Enfermagem da Universidade de São Paulo (Professora aposentada)

Possui graduação em Obstetrícia pela Faculdade de Medicina da Universidade de São Paulo (1969), graduação em Pedagogia pela Faculdade de Filosofia Ciências e Letras da Universidade de São Paulo (1968), mestrado em Enfermagem - System School Of Nursing University Of Texas At Austin (1975), doutorado em Enfermagem pela Universidade de São Paulo (1993) e Livre Docente - Escola de Enfermagem da USP (1998). Foi diretora do Departamento de Enfermagem do Hospital Universitário - HU/USP (1995-2000), Presidente do Programa Interunidades de Doutoramento em Enfermagem (2010-2012) e Chefe do Departamento ENP-EEUSP (2010-2012). Responsável pela criação e coordenadora do Curso de Obstetrícia da Escola de Artes Ciências e Humanidades da Universidade de São Paulo (2005-2008). Atualmente é professora colaboradora Sênior do Departamento de Enfermagem Materno-Infantil e Psiquiátrica da Escola de Enfermagem da USP. Tem experiência na área de Enfermagem, com ênfase em Enfermagem Obstétrica, atuando principalmente com abordagem antropologica.

Publicado

01-07-2021

Descargas

Los datos de descargas todavía no están disponibles.