Investigaciones policiales: tipos de violencia contra la mujer

Iara Maribondo Albuquerque, Ana Raquel Rosas Torres, José Luis Álvaro Estramiana, Alicia Garrido Luque, Dayane Mirelly Pereira Rodrigues

Resumen

Neste trabalho, de cunho descritivo-exploratório, analisamos inquéritos policiais abertos na Delegacia Especializada de Atendimento à Mulher (DEAM) de um município do Nordeste Brasileiro buscando investigar as configurações que a violência contra a mulher pode assumir. Analisamos 100 inquéritos dos anos de 2015, 2016 e 2017 (N=300). Os dados coletados foram submetidos à análise textual realizada com auxílio do Software IRAMUTEQ. Em síntese, os resultados aqui encontrados mostram que não há um perfil específico da mulher vítima de violência e que seus agressores são, majoritariamente, homens conhecidos por elas. Além disso, há uma prevalência das violências psicológica e física e é possível observar uma associação entre o álcool e outras drogas e a violência por elas sofrida. Por fim, este estudo traz subsídios para maiores discussões sobre esse tema e sobre a necessidade da elaboração de métodos mais eficazes de intervenção em casos de violência contra a mulher.

Palabras clave

Abuso sexual; Violência doméstica; Estereótipos de gênero; Inquéritos policiais

Texto completo:

PDF (Português)

Referencias

Albuquerque, Iara M. (2015). Violência sexual e discriminação racial: influência na responsabilização da vítima. Dissertação de mestrado inédita, Universidade Federal da Paraíba.

Albuquerque, Iara. M.; Torres, Ana Raquel R.; Álvaro, José L., & Garrido, Alicia (2019). Influence of group membership, moral values and belief in a just world in blaming the victim. Temas em Psicologia. 26(4), 1039-1054. https://doi.org/10.9788/TP2019.4-15

Arno, Fernanda & Maschio, Rafael (2015). Gênero e violência: o uso de arquivos policiais na análise histórica. Revista Santa Catarina em História, 9(2), 4-21.

Bandeira, Lourdes Maria & de Almeida, Tânia Mara C. (2015). Vinte anos da Convenção de Belém do Para e a Lei Maria da Penha. Revista Estudos Feministas, 23(2), 501-517. https://doi.org/10.1590/0104-026X2015v23n2p501

Batista, Karina B. C.; Schraiber, Lilia B. & D’Oliveira, Ana Flávia P. L. (2018). Gestores de saúde e o enfrentamento da violência de gênero contra as mulheres: as políticas públicas e sua implementação em São Paulo. cad. saúde pública, 34(8). https://doi.org/10.1590/0102-311x00140017

Beauvoir, Simone de (1967). O segundo sexo. A experiência vivida. Nova Fronteira.

Berg, Marlene J.; Kremelberg, David; Dwivedi, Purva; Verma, Supriya; Schencsul, Jean J.; Gupta, Kamla; Chandran, Devyani & Singh, Shri Kant (2010). The effects of husband’s alcohol consumption on married women in three low-income areas of Greater Mumbai. AIDS Behav. 14(Suppl 1), S126-35. https://doi.org/10.1007/s10461-010-9735-7

Camargo, Brigido V. & Justo, Ana Maria (2013). IRAMUTEQ: Um Software Gratuito para Análise de Dados Textuais. Temas em Psicologia, 21(2), 513-518. https://doi.org/10.9788/TP2013.2-16

Campos, Antônia A. S. (2008). A lei Maria da Penha e a sua efetividade. Trabalho de conclusão de curso inédita, Universidade Estadual Vale do Acaraú.

Campos, Carmen H. de (2015). Desafios na implementação da Lei Maria da Penha. Revista Direito GV, 11(2), 391-406. https://doi.org/10.1590/1808-2432201517

Cerqueira, Daniel; Matos, Mariana V. M.; Martins, Ana Paula A. & Pinto Junior, Jony (2015). Avaliando a efetividade da Lei Maria da Penha. http://www.ipea.gov.br/portal/index.php?option=com_content&view=article&id=24606

Connor, Rachel A.; Glick, Peter, & Fiske, Susan T. (2016). Ambivalent sexism in the twenty-first century. In Chris G. Sibley & Fiona Kate Barlow (Eds.). The Cambridge handbook of the psychology of prejudice (pp. 295-320). Cambridge University Press. https://doi.org/10.1017/9781316161579.013

Datafolha (2019). Pesquisa Violência Contra as mulheres. Autor.

Datafolha/FBSP (2019). Visível e Invisível: A vitimização de Mulheres no Brasil. Autor.

De Jesus, Cassiano C. & Almeida, Isis F. (2016). O Movimento Feminista e as redefinições da mulher na sociedade após a Segunda Guerra Mundial. Boletim Historiar, 14, 9-27.

Deslandes, Suely F. (1999). O atendimento às vítimas de violência na emergência: “prevenção numa hora dessas?” Revista Ciência e Saúde Coletiva, 4(1), 81-94. https://doi.org/10.1590/S1413-81231999000100007

Dutra, Maria de Lourdes; Prates, Paula L.; Nakamura, Eunice & Villela, Wilza V. (2013). A configuração da rede social de mulheres em situação de violência doméstica. Ciênc Saúde Coletiva, 18, 1293-304. https://doi.org/10.1590/S1413-81232013000500014

Fonseca, Denire H.; Ribeiro, Cristiane G & Leal, Noêmia S. B. (2012). Violência doméstica contra a mulher: realidades e representações sociais. Psicologia & Sociedade, 24(2), 307-314. https://doi.org/10.1590/S0102-71822012000200008.

Fórum Brasileiro de Segurança Pública/FBSP & Instituto Datafolha (2017). Visível e invisível: A vitimização de mulheres no Brasil. http://www.forumseguranca.org.br/wp-content/uploads/2017/03/relatorio-pesquisa-vs4.pdf

Gadoni-Costa, Lila M. (2010). Violência doméstica: Vitimização e enfrentamento. Dissertação de Mestrado inédita, Universidade Federal do Rio Grande do Sul.

Galvão, Elaine F. & Andrade, Selma M. (2004). Violência contra a mulher: Análise de casos atendidos em serviço de atenção à mulher em municípios do Sul do Brasil. Revista Saúde e Sociedade, 13(2), 89-99. https://doi.org/10.1590/S0104-12902004000200009

Garcia, Leila P. & Silva, Gabriela D. M. (2018). Violência por parceiro íntimo: perfil dos atendimentos em serviços de urgência e emergência nas capitais dos estados brasileiros, 2014. Cadernos de saúde pública, 34(4). https://doi.org/10.1590/0102-311X00062317

Germano, Idilva Maria P. & Colaço, Veriana Fátima R. (2012). Abrindo caminho para o futuro: redes de apoio social e resiliência em autobiografia de jovens socioeconomicamente vulneráveis. Estud. psicol. (Natal), 17(3), 381-387. https://doi.org/10.1590/S1413-294X2012000300005

Glick, Peter & Fiske, Susan T. (2011). Ambivalent Sexism Revisited. Psychology of Women Quarterly, 35(3), 530- 535. https://doi.org/10.1177/0361684311414832

Gover, Angela R.; Paul, Dagmar P. & Dodge, Mary (2011). Law enforcement officer’ attitudes about domestic violence. Violence Against Women, 17, 619–636. https://doi.org/10.1177/1077801211407477

Griebler, Charlize N. & Borges, Jeane L. (2013). Violência Contra a Mulher: Perfil dos Envolvidos em Boletins de Ocorrência da Lei Maria da Penha. Psico, 44(2), 215-225.

Guimarães, Maisa C. & Pedroza, Regina L. S. (2015). Violência contra a mulher: Problematizando definições teóricas, filosóficas e jurídicas. Psicologia & Sociedade, 27(2), 256-266. https://doi.org/10.1590/1807-03102015v27n2p256.

Henriques, Claudia V. (2004). Perfil clínico-epidemiológico das mu-lheres vítimas de violência atendidas no serviço de apoio à mulher, Recife-PE. Dissertação de Mestrado inédita, Instituto Materno-Infantil de Pernambuco.

Horwitz, Susan; Mitchell, Despina; LaRussa-Trott, Michelle; Santiago, Lizette; Pearson, Joan; Skiff, David & Cerulli, Catherine (2011). An inside view of police officers’ experience with domestic violence. Journal of Family Violence, 26, 617-625.

Jara, Julianna M. V. (2015). Os entraves à efetividade das medidas protetivas de urgência da lei N. 11.340/2006. Trabalho de conclusão de curso inédito, Centro Universitário de Brasília.

Johnson, Cathryn; Dowd, Timothy J. & Ridgeway Cecilia L. (2006). Legitimacy as social process. Annual Review of Sociology, 32, 53-78. https://doi.org/10.1146/annurev.soc.32.061604.123101

Kronbauer, José F. D. & Meneghel, Stela N. (2005). Perfil da violência de gênero perpetrada por companheiro. Revista de Saúde Pública, 39(5), 695-702. https://doi.org/10.1590/S0034-89102005000500001

Labronici, Liliana M.; Ferraz, Maria I. R.; Trigueiro, Tatiane H. & Fegadóli, Débora (2010). Perfil da violência contra mulheres atendidas na Pousada. Rev. esc. enferm. USP [online], 44(1), 126-133. https://doi.org/10.1590/S0080-62342010000100018

Leisenring, Amy (2012). Victims’ Perceptions of Police Response to Intimate Partner Violence. Journal of Police Crisis Negotiations, 12(2), 146-164, https://doi.org/10.1080/15332586.2012.728926

Marcondes Filho, Ciro (2001). Violência fundadora e violência reativa na cultura brasileira. São Paulo Perspectiva, 15(2), https://doi.org/10.1590/S0102-88392001000200004

Mareto, Tatiana S. & Krohling, Aloísio (2019). Acesso à justiça para mulheres em situação de violência: análise da atuação da delegacia da mulher à luz da justiça social pautada na ética da alteridade e na responsabilidade. Revista direitos humanos e democracia, 7(13), 75-89. https://doi.org/10.21527/2317-5389.2019.13.75-89

Maschio, Rafael L. (2013). Violência de gênero em relações afetivas conjugais: uma leitura dos inquéritos policiais. Anais do XXVII Simpósio Nacional de História. Natal, RN, Brasil. http://www.snh2013.anpuh.org/resources/anais/27/1371324342_ARQUIVO_ArtigoSNH2013.pdf

Minayo, Maria Cecília de Souza (2010). O desafio do conhecimento: Pesquisa qualitativa em saúde. Hucitec.

Miranda, Maria D. G. G. P. (2013). O estatuto da mulher casada de 1962. Trabalho de conclusão de curso inédito, Universidade Federal do Rio Grande do Sul.

Morrell, Robert; Rachel Jewkes & Lindegger, Graham (2012). Hegemonic Masculinity/Ies in South Africa: Culture, Power and Gender Politics. Men and Masculinities, 15, 11-30. https://doi.org/10.1177/1097184X12438001

Nascimento, Flaviane R.; Santos, Ivanildo A. & Santos, Marco F. (2017). Perfil de mulheres vítimas de violência de gênero – Eunápolis-BA, 2013. Museu pedagógico.

Oliveira, Luís R. C. (2008). Existe violência sem agressão moral? Revista Brasileira de Ciências Sociais, 23(67), 136-146. https://doi.org/10.1590/S0102-69092008000200010.

ONU - Organização das Nações Unidas (1979). Convenção sobre a Eliminação de Todas as Formas de Discriminação contra as Mulheres. Autor.

OPAS/OMS (2017). Folha informativa – Violência contra as mulheres. https://www.paho.org/bra/index.php?option=com_content&view=article&id=5669:folha-informativa-violencia-contra-as-mulheres&Itemid=820

Pasinato, Wânia (2015). Oito anos de Lei Maria da Penha: entre avanços, obstáculos e desafios. Revista Estudos Feministas, 23(2), 533-545. https://doi.org/10.1590/0104-026X2015v23n2p533

Pope Catherine & Mays Nicholas (2006). Qualitative research in health care. Blackwell Publishing.

Reichenheim, Michael E.; Dias, Alessandra S. & Moraes, Claudia L. (2006). Co-ocorrencia de violência física conjugal e contra filhos em serviços de saúde. Rev Saude Publica, 40(4), 595-603. https://doi.org/10.1590/S0034-89102006000500007

Reinert, Max (1990). Alceste, une méthodologie d’analyse des données textuelles et une application: Aurelia de Gerard de Nerval. Bulletin de Methodologie Sociologique, 26, 24-54. https://doi.org/10.1177/075910639002600103

Ribeiro, Edméia A. (1997). Fonte judicial na pesquisa histórica: o crime de sedução. Revista História & Ensino, 3, 57-71. https://doi.org/10.5433/2238-3018.1997v3n0p57

Saffioti, Heleieth I. (1999). Já se mete a colher em briga de marido e mulher. São Paulo em Perspectiva - Revista da Fundação Seade, 13(4), 82-91. https://doi.org/10.1590/S0102-88391999000400009

Saffioti, Heleieth I. (2004). Gênero, patriarcado, violência. Fundação Perseu Abramo.

Salviati, Maria Elisabeth (2017). Manual do aplicativo Iramuteq. Embrapa Cerrados.

Santi, Liliane N.; Nakano, Ana M. S. & Lettiere, Angelina (2010). Percepção de Mulheres em Situação de Violência Sobre o Suporte e Apoio Recebido em Seu Contexto Social. Texto e Contexto em Enfermagem, 19(3), 417-24. https://doi.org/10.1590/S0104-07072010000300002

Santoro, Chiara; Martínez-Ferrer, Belen; Monreal Gimeno, Carmen & Musitu, Gonzalo (2018). New Directions for Preventing Dating Violence in Adolescence: The Study of Gender Models. Front. Psychol., 9, 1-5 https://doi.org/10.3389/fpsyg.2018.00946

Santos, Cecilia M. (2010). Da delegacia da mulher à Lei Maria da Penha: absorção/tradução de demandas feministas pelo Estado. Revista crítica de ciências sociais, 89, 153-170. https://doi.org/10.4000/rccs.3759

Schmidt, Joessane F. (2012). As Mulheres na Revolução Francesa. Revista Thema, 9(2), 1-19.

Silva, Luciane L.; Coelho, Elza B. S. & Caponi, Sandra N. C. (2007). Violência silenciosa: violência psicológica como condição da violência física doméstica. Interface – Comunicação, Saúde, Educação, 11(21), 93-103. https://doi.org/10.1590/S1414-32832007000100009

Souza, Tatiana M. C.; Santana, Flávia R. M. & Martins, Thais F. (2018). Violência contra a mulher, polícia civil e políticas públicas. Pesquisas e Práticas Psicossociais, 13(4), 1-13.

Teixeira, Sandra. R. A. & Miranda, Andrea T. P. D. (2017). Violência contra a mulher nos estados da Bahia e Pará: experiências e desafios contemporâneos numa perspectiva comparada. http://repositorio.unesc.net/bitstream/1/5495/1/capitulo8.pdf https://doi.org/10.18616/cienciasjuridicas08

Teodoro, Ilka (2015). Políticas de gênero e avanços legislativos no Brasil: conquistas formais e materiais. Anais do II Congresso Luso-Brasileiro do NELB. Lisboa, Portugal. https://pensarpoliticamente.files.wordpress.com/2016/02/anais-congresso.pdf

Vieira, Leticia B.; Cortes, Laura F.; Padoin, Stela. M. D. M.; Souza, Ives. E. D. O.; Paula, Cristiane. C. D. & Terra, Marlene G. (2014). Abuso de álcool e drogas e violência contra as mulheres: denúncias de vividos. Rev Bras Enferm., 67(3), 366-72. https://doi.org/10.5935/0034-7167.20140048

Wolf, Marsha E., Ly, Uyen; Hobart, Margaret A. & Kernic, Mary, A. (2003). Barriers to Seeking Police Help for Intimate Partner Violence. Journal of Family Violence, 18(2), 121-129. https://doi.org/10.1023/A:1022893231951

Métricas de artículo

Cargando métricas ...

Metrics powered by PLOS ALM
Copyright (c) 2020 Iara Maribondo Albuquerque, Ana Raquel Rosas Torres, José Luis Álvaro Estramiana, Alicia Garrido Luque