Las películas que habito: cartogenealogías del presente

Fernando Altair Pocahy

Resumen

O ensaio em tela apresenta uma experiência de pesquisa com filmes, ali onde eles nos permitem acompanhar algo das políticas de subjetivação do/no presente. Neste escrito-(auto)experimentação proponho a figura da cartogenealogia como disposição ético-político-estético-epistemológica para a produção de entradas de problematização em pesquisa(-intervenção). O objetivo é compor mapas processuais-analíticos sobre regimes de verdade em torno de gênero e sexualidade em suas intersecções. A partir da aposta de fazer morada em filmes (aposta central nesta insurgência ético-epistemológica), arrisco o (im)possível gesto de ficcionar (fabricar) ontologias do nosso tempo e cultura. Em consequência disso, posso sentir-viver nos e com os filmes e em mim mesmo, maneiras de ampliar as formas de constituição de nós mesmxs. Os resultados dessa experimentação apontam para rotas pós-críticas sobre modos de produção e fixação da diferença, especialmente desde seus efeitos de em torno de norma, abjeção e resistência.

Palabras clave

Cinema; Gênero; Sexualidade; Subjetivação

Texto completo:

PDF (Português)

Referencias

Almodóvar, Pedro (Diretor). (1999) Tudo sobre minha mãe. [DVD]. España: El Deseo.

Almodóvar, Pedro. (Diretor). (2011). A pele que habito. [DVD]. España: El Deseo.

Barthes, Roland. (1973/2006). O prazer do texto. São Paulo: Perspectiva.

Butler, Judith. (2000). Corpos que pensam: sobre os limites discursivos do “sexo” In Guacira Lopes Louro (Ed.), O Corpo Educado. Pedagogias da Sexualidade (pp. 151-172). Belo Horizonte: Autêntica.

Butler, Judith. (2005). Humain, inhumain. Le travail critique des normes. Entretiens. Paris: Éditions Amsterdam.

Butler, Judith. (1993/2005). Cuerpos que importan. Sobre los limites materiales y discursivos del sexo. Buenos Aires/Barcelona/Mexico: Paidós

Corazza, Sandra Mara. (2009). O docente da diferença. Revista Periferia, 1(1), 1-20. Recuperado em 8 de novembro de 2019. Disponível em https://www.redalyc.org/pdf/5521/552156380008.pdf

Deleuze, Gilles. (1983/1985). Cinema. A imagem-movimento. São Paulo: Brasiliense.

Deleuze, Gilles & Guattari, Felix. (1993/1997). O que é a filosofia? Rio de Janeiro: Editora 34.

Ellsworth, Elizabeth. (2001). Modos de endereçamento: uma coisa de cinema; uma coisa de educação também. In Tomaz Tadeu Silva (Ed.), Nunca fomos humanos. Nos rastros do sujeito (pp. 9-76). Belo Horizonte: Autência.

Eribon, Didier. (1999). Réflexions sur la question gay. Paris: Fayard.

Ewald, François. (1993). Foucault, a norma e o direito. Lisboa: Vega.

Foucault, Michel. (1967/2009) Le corps utopique. Les hétérotopies. Paris: Nouvelles éditions lignes.

Foucault, Michel. (1969/2004). A arqueologia do saber. Rio de Janeiro: Forense Universitária.

Foucault, Michel. (1979/1999a). Nietzsche, a genealogia e a história. In Michel Foucault, Microfísica do poder (pp. 15-37). Rio de Janeiro: Edições Graal.

Foucault, Michel. (1979/1999b). Verdade e poder. In Michel Foucault. Microfísica do poder (pp. 1-14). Rio de Janeiro: Edições Graal.

Foucault, Michel (1984/2001a). Foucault. In Michel Foucault. Dits et écrits II, 1976-1988 (pp.1450-1454). Paris: Gallimard.

Foucault, Michel. (1984/2001b). Une esthétique de l´existence. In Michel Foucault, Dits et écrits II, 1976-1988 (pp. 1549-1553). Paris: Gallimard.

Foucault, Michel. (1984/2001c). L´éthique du souci de soi comme pratique de la liberté. In Michel Foucault. Dits et écrits II, 1976-1988 (pp. 1527-1548). Paris: Gallimard.

Foucault, Michel (1984/2001d). Michel Foucault, une interview: sexe, pouvoir et la politique de l´identité. In Michel Foucault, Dits et écrits II, 1976-1988 (pp.1555-1564). Paris: Gallimard.

Foucault, Michel (1984/2012). História da sexualidade 2; O uso dos prazeres. Rio de Janeiro: Edições Graal.

Foucault, Michel. (1992). O que é um autor? Lisboa: Passagens.

Hall, Stuart. (2001). Quem precisa da identidade? In Tomaz Tadeu da Silva (Ed.). Identidade e diferença: a perspectiva dos estudos culturais. (pp. 73-102). Petrópolis: Editora Vozes.

Halperin, David. (2000) Saint Foucault. Paris: EPEL.

Lopes, Denilson. (2002). O homem que amava rapazes. Rio de Janeiro: Editora Aeroplano.

Lopes, Denilson & Nagime, Mateus. (2015) New Queer Cinema e um novo cinema queer no Brasil. In Mateus Nagime (Ed.), New Queer Cinema - Cinema, sexualidade e política (pp.14-19). Juiz de Fora: LDC, Caixa Cultural.

Louro, Guacira Lopes. (2008). Cinema e Sexualidade. Educação & Realidade [online], 33: Recuperado de http://www.redalyc.org/articulo.oa?id=317227051009

Nardi, Henrique Caetano & Silva, Rosane Neves. (2005). Ética e subjetivação: as técnicas de si e os jogos de verdade contemporâneos. In Simone Hüning & Neuza Maria Guareschi (Ed.), Foucault e a Psicologia (pp. 93-105). Porto Alegre: ABRAPSO Sul.

Prado Filho, Kleber & Teti, Marcela Montalvão. (2013). A cartografia como método para as ciências humanas e sociais. Barbaroi, 38, 45-49. Recuperado de https://online.unisc.br/seer/index.php/barbaroi/article/view/2471

Preciado, Paul. (2017). Cartografias queer: o flâneur perverso, a lésbica topofóbica e a puta multicartográfica, ou como fazer uma cartografia “zorra” com Annie Sprinkle. Inhumas, 5(17), Recuperado de https://performatus.net/traducoes/cartografias-queer/

Rabinow, Paul. (1999). Antropologia da razão. Rio de Janeiro: Relume Dumará.

Rolnik, Suely. (2006/2011) Cartografia sentimental. Transformações contemporâneas do desejo. Porto Alegre: Editora Sulina/ Editora da UFRGS.

Silva, Tomaz Tadeu. (1993). Teoria educacional crítica em tempos pós-modernos. Porto Alegre: Artes Médicas.

Silva, Tomaz Tadeu. (1999). Documentos de identidade: uma introdução às teorias do currículo. Belo Horizonte: Autêntica.

Sontag, Susan. (1987). Contra a interpretação. Porto Alegre: L&PM.

Zourabichvili, François. (2004). O vocabulário de Deleuze. Rio de Janeiro: Relume Dumará.

Métricas de artículo

Cargando métricas ...

Metrics powered by PLOS ALM
Copyright (c) 2020 Fernando Altair Pocahy