Imagen de portada

Diez libros que un sanitarista no puede dejar de leer

Stela Nazareth Meneghel

Resumen

Este texto foi apresentado em um encontro promovido pela Editora Fiocruz, que teve lugar no 6º Congresso Brasileiro de Ciências Sociais e Saúde, organizado pela Associação Brasileira de Saúde Coletiva em 2013. A ideia do ensaio foi apresentar e discutir textos técnicos e literários, que trouxessem aspectos relevantes para a saúde pública e coletiva. Elaborou-se então uma lista de livros que deveriam ser lidos pelos sanitaristas, incluindo alguns clássicos, referências históricas, outros com caráter regional ou de época. Alguns aspectos autobiográficos procuraram mostrar a relação da autora com a literatura. Foram elencados temas referentes à medicina social, biopoder, medicalização, fome, gentrificação, pedagogias libertárias, determinantes sociais, de gênero e raça. Espera-se que o texto aproxime os sanitaristas e trabalhadores de saúde aos textos literários, já que a literatura pode ampliar a compreensão daquilo que diz respeito ao adoecimento e ao sofrimento humanos.

Palabras clave

Saúde Coletiva; Saúde Pública; Literatura

Texto completo:

PDF (Português)

Referencias

Aleteia. Histórias inspiradoras (2018) Catador monta biblioteca comunitária para crianças com livros achados no lixo. Disponível em: https://pt.aleteia.org/2018/06/19/catador-monta-biblioteca-comunitaria-para-criancas-com-livros-achados-no-lixo/

Amado, Jorge (1972/1984). Teresa Batista cansada de guerra. Rio de Janeiro: Global.

Arouca, Sergio (1975). O dilema preventivista. Contribuição para a compreensão e crítica da medicina preventiva. Tese de Doutorado inédita. UNICAMP.

Augé, Marc (1992/2012). Não lugares. Introdução a uma antropologia da supermodernidade (9ª. ed.). Campinas: Papirus.

Ayres, João Ricardo de Mesquita (2007/2009). Da necessidade de uma prática reflexiva sobre o cuidado: a hermenêutica como acesso ao sentido das práticas de saúde. In: Roseni Pinheiro & Ruben Mattos (Orgs.), Razões públicas para a integralidade em saúde: o cuidado como valor (2ª ed. pp. 127-144). Rio de Janeiro: IMS/UERJ/ABRASCO.

Becker, Howard (1998/2009). Trucos del oficio: como conducir su investigación en ciencias sociales. Buenos Aires: Siglo Veinteuno editores.

Benjamin, Walter (1994). O narrador: considerações sobre a obra de Nikolai Leskov. Magia e técnica, arte e política: ensaios sobre literatura e história da cultura. São Paulo: Brasiliense.

Borges, Jorge Luis (1952/1972). Obras completas. Buenos Aires: Ed. EMECÉ.

Bradbury, Ray (1967/2009). Fahrenheit 451. São Paulo: Editora Globo.

Cairus, Henrique F. & Ribeiro Junior, Wilson A. (2005). Textos hipocráticos: o doente, o médico e a doença. Rio de Janeiro: Editora FIOCRUZ.

Carvalho, Ana Cecília (2003). A poética do suicídio em Sylvia Plath. Belo Horizonte: Editora UFMG.

Calasans Neto, José Júlio. (1972). Teresa Batista cansada de guerra [Xilogravura]. Disponível em: http://luzdefifo.blogspot.com/2012/04/jorge-amado-e-valorizacao-da-cultura.html

Castro, Josué (1951). Geopolítica da Fome. Rio de Janeiro: Casa do estudante do Brasil.

Césaire, Aimé (1978). Discurso sobre o colonialismo. Lisboa: Livraria Sá da Costa Editora.

Davis, Mike (2006). Planeta favela. São Paulo. Boitempo.

Eco, Umberto (1977/2007). Como se faz uma tese em ciências humanas (13ª ed.). Lisboa: Editorial Presença.

Engels, Friedrich (1845/2008). A situação da classe trabalhadora na Inglaterra. São Paulo: Boitempo.

Fanon, Frantz (1952/2008). Pele negra máscaras brancas. Salvador: Ed. UFBA.

Foucault, Michel (1979/2001). Microfísica do Poder (16ª ed.). Rio de Janeiro: Graal.

Foucault, Michel (1981/1999). As palavras e as coisas – uma arqueologia das ciências humanas (8ª ed.). São Paulo: Martins Fontes.

Freire, Paulo (1974/1983). Pedagogia do oprimido (13ª ed.). Rio de Janeiro: Paz e Terra.

Gagnebin, Jeanne Marie (2004). Memória e (res)sentimento. Indagações sobre uma questão sensível. Campinas; Editora UNICAMP.

Geertz, Clifford (1988). Works and lives, the anthropologist as author. Stanford, Califórnia: Stanford University Press.

Hugo, Victor (1862/1962). Os miseráveis. Lisboa: Editorial Minerva.

Illich, Ivan (1975). A expropriação da saúde. Nêmesis da medicina. Rio de Janeiro: Editora Nova Fronteira.

Machado, Leila Domingues (2004). O desafio ético da escrita. Psicologia e Sociedade, 16(1),146-150. https://doi.org/10.1590/S0102-71822004000100012

Meneghel, Stela N. (2015). Epidemiologia: exercícios (in)disciplinados. Tomo Editorial: Porto Alegre.

Nietzsche, Friedrich (1913/1994) Assim falou Zaratustra. Um livro para todos e para ninguém (7ª. ed.). Rio de Janeiro: Bertrand do Brasil.

Pateman, Carole (1993). O contrato sexual. São Paulo: Paz e Terra.

Rosen, George (1980). Da polícia médica à medicina social. Ensaios sobre a história da assistência médica. Rio de Janeiro: Graal.

Steadman, Ralph. (2003) Fahrenheit 451 [Ilustração] disponível em: https://www.brainpickings.org/2015/05/15/ralph-steadman-fahrenheit-451

Yeats, William Butler (1889/1997). The poems. New York: Scribner.

Whitman, Walt (1855/2014). Folhas de relva. São Paulo: Editora Iluminuras.

Woolf, Virginia (1985). Um teto todo seu. Rio de Janeiro: Nova Fronteira.

Métricas de artículo

Cargando métricas ...

Metrics powered by PLOS ALM
Copyright (c) 2020 Stela Nazareth Meneghel