Pesquisa Ação no Cotidiano: considerações epistêmicas e metodológicas de uma experiência contra a banalização das subcidadanias

Alexandre Bonetti Lima

Resumen

Neste artigo, serão apresentadas reflexões epistemológicas e metodológicas construídas a partir de pesquisa realizada em bairro de grande vulnerabilidade social na região norte do estado do Paraná, Brasil. Nela, buscamos mergulhar no cotidiano do bairro, de modo a compreender, reconhecer e dialogar com a pluralidade de saberes e fazeres que compõem a dinâmica de suas histórias, experiências e interações, e assim somar forças para construir junto com as pessoas do local ações que viabilizem a produção de condições mais dignas nas suas vidas, social e politicamente marginalizadas. Os conceitos chave utilizados para o desenvolvimento da pesquisa foram os de subcidadania, habitus, práticas discursivas, práticas sociais e o de lugar. O artigo finaliza com apontamentos de continuidade através do estabelecimento de redes de interrelação e aproximações ético-políticas com outros bairros periféricos do município, de modo a tornar mais potentes as oportunidades emancipatórias.

Palabras clave

Psicologia social; Subcidadania; Vulnerabilidade social; Ações emancipatórias

Texto completo:

PDF (Português)

Referencias

Bauman, Zygmunt (2004/2005). Vidas Desperdiçadas. Rio de Janeiro. Jorge Zahar.

Bourdieu, Pierre (1980/2007). O Senso Prático. Petrópolis. Vozes.

Chauí, Marilena (1994). Conformismo e Resistência: aspectos da cultura popular no Brasil. São Paulo. Brasiliense.

Fairclough, Norman (1992/2001). Discurso e Mudança Social. Brasília. EdUnB.

Fernandes, Florestan (1978). A Integração do Negro na Sociedade de Classes. São Paulo. Ática.

Freire, Paulo (1996). Pedagogia da Autonomia: saberes necessários à prática educativa. São Paulo. Paz e Terra.

Freire, Paulo (1992/2011). Pedagogia da Esperança: um reencontro com a Pedagogia do Oprimido. São Paulo. Paz e Terra.

Giddens, Anthony (1990/2000). As Consequências da Modernidade. São Paulo. Unesp.

Guareschi, Pedrinho (1999/2013). Pressupostos Psicossociais da Exclusão: competitividade e culpabilização. In, B.B. Sawaia, (Org.), As Artimanhas da Exclusão: análise psicossocial e ética da desigualdade social (pp. 121-135). Petrópolis. Vozes.

Instituto Trata Brasil (2014). Instituto Trata Brasil divulga Ranking do Saneamento 2014. Recuperado de https://tratabrasil.org.br/datafiles/estudos/2014/

León Cedeño, Alejandra A. (2015). Para que serve a Psicologia Comunitária do Cotidiano: conversando com psicólogos que trabalham em políticas públicas. In, Roberto. Heloani; Márcia. B. Souza &, Rosângela R. J. Rodrigues (Orgs.), Sociedade em Tranformação: estudo das relações entre trabalho, saúde e subjetividade (Vol. 2, pp. 227-242). Londrina. Eduel.

Lima, Alexandre B. (2015). Considerações Teórico-Metodológicas acerca de uma Psicologia Social Localizada nos Cotidianos. In, Roberto Heloani; Márcia B. Souza &, Rosângela R. J. Rodrigues (Orgs.), Sociedade em Tranformação: estudo das relações entre trabalho, saúde e subjetividade subjetividade (Vol. 2, pp. 59-72). Londrina. Eduel.

Mansano, Sonia R.V. & Lima, Alexandre B. (2017). É Melhor Viver do que Ser Feliz: felicidade, idealização e consumo. Revista Espaço Acadêmico, 17(193). 78-91.

Matos, Olgária C.F. (1993). A Escola de Frankfurt: luzes e sombras do Iluminismo. São Paulo. Moderna.

Pesquisa Nacional por Amostra de Domicílios (2013). Síntese de Indicadores. Recuperado em http://biblioteca.ibge.gov.br/visualização/liv94414.pdf

Rolnik, Suely (1995). Subjetividade e História. Campinas: Rua, 1(1), 49-61.

Santos, Boaventura S. (2010). A Gramática do Tempo: para uma nova cultura política. São Paulo. Cortez.

Santos, Milton (1999/2010). Por uma Nova Globalização: do pensamento único à consciência universal. Rio de Janeiro. Record.

Souza, Jessé (2011). A Ralé Brasileira: quem é e como vive. Belo Horizonte. UFMG.

Souza, Jessé (2012). A Construção Social da Subcidadania: por uma sociologia política da modernidade periférica. Belo Horizonte. UFMG.

Spink, Mary Jane (1999). Práticas Discursivas e Produção de Sentidos no Cotidiano. São Paulo. Cortez.

Spink, Peter K. (2017). Pesquisa de Campo em Psicologia Social: uma perspectiva pós-construcionista. In, M.A. Alves, J. Brigagão & F. Burgos (Orgs.), Por uma Gestão Pública Democrática: 25 anos do Centro de Estudos em Administração Pública e Governo (pp. 72-90). São Paulo. Edfgv.

Spink, Peter K. (2008). O Pesquisador Conversador no Cotidiano. Psicologia e Sociedade, 20(Edição Especial), 70-77. http://dx.doi.org/101590/S0102-71822008000400010

Métricas de artículo

Cargando métricas ...

Metrics powered by PLOS ALM
Copyright (c) 2019 Alexandre Bonetti Lima