Militarização de agentes penitenciários no Brasil: segurança pública e processos de subjetivação

Rafael Albuquerque Figueiró, Magda Dimenstein

Resumen

O trabalho do agente penitenciário (AP) é uma realidade problemática, porém pouco pesquisada. Nesse sentido, esta pesquisa teve por objetivo cartografar os processos de subjetivação presentes no trabalho dos AP de um presídio do Rio Grande do Norte, Brasil. A partir da perspectiva da cartografia, foi feito o acompanhamento da rotina de trabalho das equipes de AP do referido presídio durante cinco meses, totalizando 160 horas de observação. Além disso, foram realizadas entrevistas com agentes penitenciários e funcionários responsáveis pela gestão do sistema prisional pesquisado. Os resultados apontam para um modelo de gestão militarizado do sistema prisional, disparando um processo de militarização das subjetividades desses trabalhadores, produzindo sujeitos enrijecidos, insensíveis e dispostos a práticas violentas e a violar direitos.

Palabras clave

Sistema prisional; Agente penitenciário; Subjetividade; Cartografia

Texto completo:

PDF (Português)

Referencias

Albernaz, Elisabete Ribeiro (2010). Na fronteira entre o bem e o mal: ética profissional e moral religiosa entre policiais militares evangélicos cariocas. Caderno CRH, Salvador, 23(60), 525-539. http://dx.doi.org/10.1590/S0103-49792010000300006

Albuquerque, Carlos de Linhares & Machado, Eduardo Paes (2001). Sob o signo de Marte: modernização, ensino e ritos da instituição policial militar. Sociologias, 3(5), 214-239. http://dx.doi.org/10.1590/S1517-45222001000100010

Andrade, Marcelo (2010). A banalidade do mal e as possibilidades da educação moral: contribuições arendtianas. Revista Brasileira de Educação, 15(43), 109-125. http://dx.doi.org/10.1590/S1413-24782010000100008

Arendt, Hannah (1999). Eichmann em Jerusalém: um relato sobre a banalidade do mal. São Paulo: Cia. Das Letras.

Arendt, Hannah (2014). Sobre a violência. Rio de Janeiro: Civilização Brasileira.

Barros, Laura Pozzana & Kastrup, Virgínia (2009). Cartografar é acompanhar processos. In Eduardo Passos, Virgínia Katrup & Liliana da Escóssia (2009). Pistas do método da cartografia: pesquisa-intervenção e produção de subjetividade (pp. 52-75). Porto Alegre: Sulina.

Bretas, Marcos & Rosemberg, André (2013). A história da polícia no Brasil: balanço e perspectivas. Topoi, 14(26), 162-173. http://dx.doi.org/10.1590/2237-101x014026011

Brigagão, Clóvis (1995). A militarização da sociedade. Rio de Janeiro: Jorge Zahar Editor.

Chies, Luis Antônio Bogo; Barros, Ana Luiza Xavier; Lopes, Carmen Lucia Alves da Silva & Oliveira, Sinara Franke (2005). Prisionalização e Sofrimento dos Agentes Penitenciários: Fragmentos de uma pesquisa. Revista brasileira de ciências criminais, 52, 264-283.

Fernandes, Rita de Cássia Pereira; Silvany-Neto, Anibbal Muniz; Sena, Gildélia de Miranda; Leal, Alexandre dos Santos; Carneiro, Carolina Amorim & Costa, Fernanda Pita (2002). Trabalho e cárcere: um estudo com agentes penitenciários da Região Metropolitana de Salvador, Brasil. Cad. Saúde Pública, Rio de Janeiro, 18(3), 807-816. http://dx.doi.org/10.1590/S0102-311X2002000300024

Fraga, Cristina Kologeski (2006). Peculiaridades do trabalho policial militar. Revista Virtual Textos & Contextos, 6, 1-19. http://dx.doi.org/10.15448/1677-9509

Ghaddar, Ali; Mateo, Inmaculada & Sanchez, Pablo (2008). Occupational stress and mental health among correctional officers: a cross-sections study. Journal of Occupation Health, 50, 92-98.

Gomes, Romeu & Souza, Edinilsa (2013). A identidade de policiais civis e sucessivos espelhamentos. Ciência & Saúde Coletiva, 18(3), 601-610. http://dx.doi.org/10.1590/S1413-81232013000300006

Guattari, Félix & Rolnik, Suely. (1986). Micropolítica: Cartografias do desejo. Petrópolis-RJ: Vozes.

Kalinsky, Beatriz (2008). El agente penitenciario: la cárcel como ámbito laboral. Runa, 28, 43-57.

Kirst, Patrícia Gomes (2003). Redes do Olhar. In: Patrícia Gomes Kirst & Tânia Maria Gali Fonseca (Orgs.), Cartografias e Devires: A Construção do Presente (pp. 43-52). Porto Alegre, EDUFRGS.

Lopes, Rosalice (1998). Atualidades do discurso disciplinar: a representação da disciplina e do disciplinar na fala dos agentes de segurança penitenciária (Dissertação de Mestrado, Universidade de São Paulo, São Paulo).

Lopes, Rosalice (2007). Psicologia Jurídica o cotidiano da violência: o trabalho do agente de segurança penitenciária nas instituições prisionais. Psicol. Am. Lat., 0, 1-8.

Lourenço, Arlindo da Silva (2010). O espaço de vida do Agente de Segurança Penitenciária no cárcere: entre gaiolas, ratoeiras e aquários (Tese de Doutorado, Universidade de São Paulo, São Paulo).

Mairesse, Denise (2003). Cartografia: do método à arte de fazer pesquisa. In: Patrícia Gomes Kirst & Tânia Maria Gali Fonseca (Orgs.), Cartografias e Devires: A Construção do Presente. (pp. 259-272). Porto Alegre: EDUFRGS.

Manzini, Eduardo José (2004). Entrevista semi-estruturada: análise de objetivos e de roteiros. In: Seminário Internacional de pesquisa e estudos qualitativos, 2, A pesquisa qualitativa em debate (documento não publicado). Bauru.

Martins, João Batista (1996). Observação participante: uma abordagem metodológica para a psicologia escolar. Semina: Ci. Sociais/Humanas, Londrina, 17(3), 266-273.

Nobre. Teresa (2004). Violência e cotidiano: contra o quê, afinal, é preciso indignar-se? In Manoel Mendonça Filho (Org.). Educação, Violência e Polícia: Direitos Humanos? (pp. 137-168). Aracaju: EdUFS; Salvador: EdUFBA,

Nóbrega-Júnior, José Maria Pereira (2010). A militarização da segurança pública: um entrave para a democracia brasileira. Rev. Sociol. Polít., Curitiba, 18(35), 119-130. http://dx.doi.org/10.1590/S0104-44782010000100008

Rumin, Cassiano Ricardo (2006). Sofrimento na vigilância prisional: o trabalho e a atenção em saúde mental". Psicologia, Ciência e Profissão, 26(4), 570-581. http://dx.doi.org/10.1590/S1414-98932006000400005

Silva, Maurivan Batista & Vieira, Sarita Brazão (2008). O Processo de Trabalho do Militar Estadual e a Saúde Mental. Saúde Soc.,17(4), 161-170. http://dx.doi.org/10.1590/S0104-12902008000400016

Tschiedel, Rubia Minuzzi & Monteiro, Janine Kieling (2013). Prazer e sofrimento no trabalho das agentes de segurança penitenciária. Estudos de Psicologia, 18(3), 527-535. http://dx.doi.org/10.1590/S1413-294X2013000300013

Vasconcelos, Ana Silva Furtado (2000). A saúde sob custódia: um estudo sobre Agentes de Segurança Penitenciária no Rio de Janeiro (Dissertação de Mestrado, Fundação Oswaldo Cruz, Escola Nacional de Saúde Pública, Rio de Janeiro).

Zaverucha, Jorge (2008). De FHC a Lula: a militarização da agência brasileira de inteligência. Rev. Sociol. Polít., Curitiba, 16(31), 177-195. http://dx.doi.org/10.1590/S0104-44782008000200013

Zimbardo, Philip (2004). A Situationist Perspective on the Psychology of Evil: Understanding How Good People Are Transformed into Perpetrators. In. A. G. Miller (Org.), The Social Psychology of good and evil (pp. 21-50). New York: Guilford Press. Disponível em: http://www.prisonexp.org/pdf/evil.pdf. Acesso em 12/10/2014

Métricas de artículo

Cargando métricas ...

Metrics powered by PLOS ALM
Copyright (c) 2019 Rafael Albuquerque Figueiró, Magda Dimenstein