Conexiones de la Zona Sur: mapeo participativo de actores, acciones y relaciones solidarias

Egeu Gómez Esteves, Cleberson da Silva Pereira, Peter Kevin Spink

Resumen

Relatamos aqui uma pesquisa de campo prospectiva que objetivou mapear atores, ações e relações sociais que configuram a Economia Solidária da Zona Sul da cidade de São Paulo. Para isso, conduzimos treze oficinas de Mapeamento Participativo nas quais os participantes localizaram no mapa da região 150 atores sociais, incluindo coletivos informais, associações civis, cooperativas e entes estatais. A metodologia de Análise de Redes Sociais possibilitou identificar, entre os atores sociais, a presença de mais de 200 conexões e vinte conectores sociais que atuam como protagonistas territoriais, promovendo relações solidárias e desenvolvendo ações públicas nas áreas da cultura, educação, saúde, segurança alimentar, assistência social e gestão de resíduos urbanos. Realizamos por fim uma interpretação coletiva dos mapas e diagramas que permitiu compreender como pessoas e associações civis criam redes de relações solidárias, organizam ações coletivas com caráter social e econômico e, finalmente, como algumas práticas sociais são propagadas pelo território.

Palabras clave

Economia Solidária; Mapeamento Participativo; Pesquisa Ação Participante; Análise de Redes Sociais

Texto completo:

PDF (Português)

Referencias

Becker, Haward (1998/2009). Trucos del oficio: cómo conducir su investigación en ciencias sociales. Buenos Aires: Siglo Veinteuno.

Blumer, Herbert (1969). Symbolic interactionism: perspective and method. Berkeley, Los Angeles: University of California Press.

Borelli, Elizabeth (2012). Vulnerabilidades sociais e juvenil nos mananciais da zona sul da cidade de São Paulo. Revista Katálysis, 15(1), 62-69. https://doi.org/10.1590/s1414-49802012000100006

Borges, Pedro (2015). A carne mais barata: 95 negros assassinados por dia no Brasil. Periferia em Movimento. https://doi.org/10.20504/opus2017b2304

Brandão, Carlos (1981/1999). Pesquisa participante. São Paulo: Brasiliense.

Dedecca, Claudio (2004). O trabalho na metrópole. In Tamas Szmrecsányi (Org.), História Econômica de São Paulo (pp. 238 - 262). São Paulo: Globo.

Esteves, Egeu (2014). Do pó à ferramenta: autogestão do trabalho e da produção em uma fábrica brasileira recuperada pelos trabalhadores. Otra Economia. 8(15), 141-151. https://doi.org/10.4013/otra.2014.815.03

Fals-Borda, Orlando (1985). Conocimiento y poder popular. Lecciones con campesinos de Nicaragua, México y Bogotá. Bogotá: Siglo XXI.

Feiguin, Dora & Lima, Renato (1995). Tempo de violência: medo e insegurança em São Paulo. São Paulo em Perspectiva, 9(2), 73-80.

Freire, Paulo (1981/1999). Criando métodos de pesquisa alternativa: aprendendo a fazê-la melhor através da ação. In Carlos R. Brandão (Org.), Pesquisa participante (pp. 34 -41). São Paulo: Brasiliense.

IBGE (2010). Censo 2010. Retrieved from: : http://www.censo2010.ibge.gov.br

Iglesias, Gabriela & Mesquita, Rafael (2016). Nosso Percurso. In UPM; Gabriela Iglesias; Rafael Mesquita (Orgs.), REDES Periféricas: Juventudes, Mulheres e Arranjos Culturais (pp. 90-111). São Paulo: ITCP-USP.

Iglesias, Gabriela; Abati, Neide & Mesquita, Rafael (2016). Zona sul de São Paulo a partir da história da União Popular de Mulheres. In UPM; Gabriela Iglesias; Rafael Mesquita (Orgs.), REDES Periféricas: Juventudes, Mulheres e Arranjos Culturais (pp. 15-70). São Paulo: ITCP-USP.

Joliveau, Thierry (2008). O lugar do mapa nas abordagens participativas. In Henri Acselrad (Org.), Cartografias sociais e território (pp. 45-68). Rio de Janeiro: IPPUR/UFRJ.

Mattoso, Jorge (1999). O Brasil desempregado: Como foram destruídos mais de 3 milhões de empregos nos anos 90. São Paulo: Fundação Perseu Abramo.

Mead, George (1934/1973). Espíritu, persona y sociedad: Desde el punto de vista del conductismo social. Barcelona: Paidós.

Pochmann, Márcio (2000). O excedente de mão-de-obra no município de São Paulo. In Mapa do Trabalho Informal: perfil socioeconômico dos trabalhadores informais na cidade de São Paulo (pp. 18-23). São Paulo: Fundação Perseu Abramo.

Schmidt, Maria L. S. (2008). Pesquisa participante e formação ética do pesquisador na área da saúde. Ciência e Saúde Coletiva, 13(2), 391-398. https://doi.org/10.1590/S1413-81232008000200014

Secretaria Nacional de Economia Solidária (SENAES) (2013). Sistema Nacional de Informações em Economia Solidária – SIES. Retrieved from http://sies.ecosol.org.br/atlas

Silva, Christian N. da & Verbicaro, Camila (2016). O mapeamento participativo como metodologia de análise do território. Scientia Plena, 12(6), 01-12. https://doi.org/10.14808/sci.plena.2016.069934

Singer, Paul (2002). Introdução à Economia Solidária. São Paulo: Perseu Abramo.

Souza, André R. de (2003). Economia Solidária: um movimento nascente da crise do trabalho. In: André R. de Souza, Gabriela C. Cunha & Regina Y. Dakuzaku (Orgs.), Uma outra economia é possível: Paul Singer e a Economia Solidária (pp. 27-44). São Paulo: Contexto.

Spink, Peter (2008). O pesquisador conversador no cotidiano. Psicologia & Sociedade, 20(n.esp), 70-77. https://doi.org/10.1590/s0102-71822008000400010

Taylor, Steven J. & Bogdan, Robert (1984/1987). Introducción a los métodos cualitativos de investigación: la búsqueda de significados. Barcelona: Paidós.

Métricas de artículo

Cargando métricas ...

Metrics powered by PLOS ALM
Copyright (c) 2019 Egeu Gómez Esteves, Cleberson da Silva Pereira, Peter Kevin Spink