Consumo de drogas, familias y prácticas de atención: desafíos para las políticas públicas

Martha da Silva Figueiró, Magda Dimenstein

Resumen

As concepções hegemônicas sobre drogas, os pertencimentos sociais das famílias e as diretrizes postas pelas políticas reverberam nas práticas de cuidados e na maneira de conceber os problemas relacionados ao uso de drogas no contexto familiar. O presente estudo se propõe a discutir o modo como as políticas públicas têm funcionado em relação à atenção às famílias que sofrem com os problemas decorrentes do uso de drogas e os efeitos nas práticas de cuidado das mesmas. Para tanto, realizou-se um estudo com duas famílias com características sócio econômicas distintas. Para construção dos dados foram feitas entrevistas abertas, observação e registro em diário de campo. Identificou-se que a ausência de suporte adequado na rede, sobretudo nos serviços substitutivos, reduz as possibilidades potencializadoras de autonomia e emancipação nas práticas de cuidado operadas pelos familiares.

Palabras clave

Famílias; Drogas; Políticas públicas; Práticas de cuidado

Texto completo:

PDF (Português)

Referencias

Acserald, Gilberta (2017). Os desafios para uma formação em álcool e outras drogas baseada nos direitos humanos. In. Marcelo Vecchia, Telmo Ronzani, Fernado Paiva, Cássia Batista & Pedro Costa (Orgs.), Drogas e Direitos Humanos: reflexões em tempos de guerra às drogas (pp. 123-140). Porto Alegre, RS: Rede UNIDA.

Baremblitt, Gregório (1992/2012). Compêndio de análise institucional e outras correntes: teoria e prática (6 ed.). Belo Horizonte, MG: FGB/IFG.

Barros, Regina. & Karstrup, Virgínia (2009). Cartografar é acompanhar processos. In: Eduardo Passos, Virgínia Kastrup & Liliana Escóssia (Orgs.) Pistas do método da cartografia: pesquisa-intervenção e produção de subjetividade (pp. 52-75). Porto Alegre, RS: Sulina.

Boccardo, Andréa; Zane, Fabiana; Rodrigues, Sureia, & Mângia, Elisabete (2011). O projeto terapêutico singular como estratégia de organização do cuidado nos serviços de saúde mental. Revista Terapia Ocupacional, 22(1), 85-92. https://doi.org/10.11606/issn.2238-6149.v22i1p85-92

Carvalho, Maria (2012). Famílias e Políticas Públicas. In. Ana Rojas. Acosta & Maria. Vitale (Orgs) Família: redes, laços e políticas públicas (pp. 267-276). São Paulo, SP: Cortez.

Deleuze, Guilles. & Guattari, Felix (1995). Mil Platôs I: capitalismo e esquizofrenia. Rio de Janeiro, RJ: Editora 34.

Escohotado, Antônio (1996). Historia elemental de las drogas. Barcelona: Anagrama.

Garcia, Marina (2016). O uso problemático de crack e a classe média. In. J. Souza (Org.) Crack e exclusão social (pp. 103-118). Brasília, DF: Ministério da Justiça e Cidadania, Secretaria Nacional de Políticas Sobre Drogas.

Guatarri, Felix. & Rolnik, Suelly (1986). Micropolítica . Cartografia do Desejo. Petrópolis: Editora Vozes.

Lapassade, Georges. & Lourau, René (1972). Chaves da sociologia. Rio de Janeiro, RJ: Civilização Brasileira.

Lima, Rita (2012). Políticas sociais e a centralidade da família: implicações para a assistência na área de álcool e outras drogas. Álcool e outras drogas: diálogos sobre um mal-estar contemporâneo. In. Sérgio Alarcon & Marco Jorge (pp. 171-190). Rio de Janeiro, RJ: Fiocruz

Lourau, René (2004). Implicação e sobreimplicação In: Silvia Altoé (Org.) René Lourau: Analista institucional em tempo integral (pp. 186-198). Rio de Janeiro, RJ: Hucitec,

Nascimento, Maria & Tedesco, Silvia (2013). Análise Institucional e cartografia: efeitos de contágio. In. Solange L´Abbate, Lucia Mourão & Luciane Pezzato, L. (Orgs.), Análise institucional e saúde coletiva (pp. 597-606). São Paulo, SP: Hucitec.

Paiva, Fernando., Costa, Pedro (2017). Desigualdade social, políticas sobre drogas e direitos humanos. In. Marcelo Vecchia, Telmo Ronzani, Fernando Paiva, Cássia Batista, Pedro Costa (Orgs.) Drogas e Direitos Humanos: reflexões em tempos de guerra às drogas (pp. 53-72). Porto Alegre, RS: Rede UNIDA.

Passos, Eduardo. & Benevides, Regina (2009). A cartografia como método de pesquisa-intervenção. In. Eduardo Passos, Virgínia Karstrup & Liliana da Escóssia (Orgs.) Pistas do método da cartografia: pesquisa-intervenção e produção de subjetividade (pp. 17-31). Porto Alegre, RS: Sulina.

Paulon, Simone (2005). Análise de implicação como ferramenta na pesquisa-intervenção. Psicologia & sociedade, 17(3), 18-25. https://doi.org/10.1590/s0102-71822005000300003

Pratta, Elisângela. & Santos, Manoel (2007). Reflexões sobre as relações entre drogadição, adolescência e família: um estudo bibliográfico. Estudos de Psicologia, 11(3), 315-322. https://doi.org/10.1590/s1413-294x2006000300009

Romagnoli, Roberta (2006). Famílias na rede de saúde mental: um breve estudo esquizoanalítico. Psicologia em estudo, Maringá, 11(2), 305-314. https://doi.org/10.1590/s1413-73722006000200009

Romagnoli, Roberta (2009) A cartografia e a relação pesquisa e vida. Psicologia e sociedade, 21(2), 166-173. https://doi.org/10.1590/s0102-71822009000200003

Romagnoli, Roberta (2010). Entre a educação e a saúde: o desafio das redes. Pesquisa e práticas psicossociais, 4(2), 182-192.

Romagnoli, Roberta (2015). O ideal de família e alguns de seus efeitos no cotidiano dos agentes sociais. In. R. Romagnoli & M. Dimenstein (Orgs.) Cotidiano e processos de subjetivação (pp. 185-206). Vitória, ES: EDUFES.

Sade, Christian., Ferraz, Gustavo. & Rocha, Jerusa (2014). O ethos da confiança na pesquisa cartográfica: experiência compartilhada e aumento na potência de agir. In. Eduardo Passos; Virgínia Kastrup & Silvia Tedesco (Orgs.) Pistas do método da cartografia: a experiência da pesquisa e o plano comum (pp. 61-91). Porto Alegre, RS: Sulina,

Santos, Vilmar, Soares,Cassia& Campos, Célia (2010). Redução de danos: análise das concepções que orientam as práticas no Brasil. Revista de saúde coletiva 20(3). 995-1015. https://doi.org/10.1590/s0103-73312010000300016

Souza, Jessé (2016). A doença da humilhação. In. Jessé Souza (Org.) Crack e exclusão social (pp. 29-38). Brasília: Ministéro da Justiaça e Cidadania, Secretaria Nacional de Políticas Sobre Drogas.

Wacqant, Loïc (2003). Punir os pobres: a nova gestão da miséria nos Estados Unidos. Rio de Janeiro: Renavan.

Métricas de artículo

Cargando métricas ...

Metrics powered by PLOS ALM
Copyright (c) 2019 Martha da Silva Figueiró, Magda Dimenstein